Acessar o conteúdo principal
Brasil

Denúncia de suposta parcialidade de Moro na prisão de Lula é destaque na imprensa internacional

Os jornais cogitam a hipótese de um complô para impedir o retorno de Lula e do PT ao poder
Os jornais cogitam a hipótese de um complô para impedir o retorno de Lula e do PT ao poder Mauro Pimentel / AFP

A denúncia feita pelo site The Intercept de que procuradores brasileiros agiram deliberadamente e, em alguns momentos, coordenados com o então juiz federal e atual ministro da Justiça, Sergio Moro, para prejudicar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, não é capa apenas dos jornais brasileiros. O assunto ganhou destaque em vários veículos da imprensa internacional dessa segunda-feira (10).

Publicidade

Baseado em mensagens hackeadas, o portal afirma que os principais responsáveis pela Operação Lava Jato atuaram por motivação política em diversas ocasiões. “Apesar de afirmarem ser apolíticos e motivados apenas pela luta contra a corrupção, os procuradores da Lava Jato fizeram um complô para impedir o retorno de Lula e do PT ao poder”, relata o jornal francês Le Figaro, reproduzindo trechos de informações publicadas pelo Intercept.

“Algumas mensagens também revelam que os procuradores tinham sérias dúvidas sobre a existência de provas suficientes da culpa de Lula”, continuam o vespertino francês Le Monde e o diário Libération, lembrando que o caso resultou na prisão do ex-presidente. “Mas se essas mensagens forem verdadeiras, elas derrotam a suposta imparcialidade necessária do juiz Moro”, sentencia Le Figaro.  

O canal árabe Al Jazeera relata que os principais promotores brasileiros "teriam conspirado para condenar Lula”. Enquanto o jornal espanhol La Vanguardia fala claramente de uma “conspiração para impedir a volta do PT ao poder”. O diário afirma que a troca de mensagens “deixa poucas dúvidas de que a operação judicial liderada por Moro tinha objetivos políticos”.

A versão francesa do jornal 20 Minutes também aborda o assunto, trazendo uma primeira reação do atual ministro da Justiça. Segundo o tabloide, Moro “desmente qualquer irregularidade em seu comportamento na investigação que possibilitou a prisão de centenas de políticos em cinco anos”. O norte-americano The New York Times também traz uma reação do ministro, que chama as gravações de “invasão criminosa”.

O The Intercept anunciou que estas revelações são "o primeiro resultado de uma grande investigação em andamento" sobre as provas da operação Lava Jato e sobre os atos de Moro quando era juiz federal e sobre o procurador Deltan Dallagnol. O portal tem entre seus fundadores o jornalista Glenn Greenwald, que em 2013 revelou os vazamentos obtidos pelo analista Edward Snowden sobre os programas de vigilância maciça implementados pelos serviços secretos americanos da NSA.

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.