Acessar o conteúdo principal

Após dois meses, Basílica do Santo Sepulcro reabre neste domingo em Jerusalém

A Igreja do Santo Sepulcro foi fechada em 25 de março, pouco antes da Páscoa, como parte das medidas  para conter a epidemia do coronavírus em Israel e nos territórios palestinos.
A Igreja do Santo Sepulcro foi fechada em 25 de março, pouco antes da Páscoa, como parte das medidas para conter a epidemia do coronavírus em Israel e nos territórios palestinos. AP - Oded Balilty

Depois de dois meses fechada pela pandemia de coronavírus, a Basílica do Santo Sepulcro reabrirá suas portas neste domingo (24). O anúncio foi feito neste sábado (23) pelas autoridades cristãs do local, em Jerusalém.

Publicidade

"Por razões de segurança e para evitar o risco de uma nova disseminação da Covid-19, o número de visitantes será limitado a 50 pessoas e a basílica será acessível apenas para aqueles que não apresentarem febre ou sintomas de infecção e que estiverem com máscaras adequadas", indicam em seu site as autoridades religiosas que administram o acesso  ao local.

"Também será necessário manter uma distância mínima de dois metros entre cada pessoa e evitar qualquer ato de devoção que possa incluir contato físico, como tocar ou beijar as pedras, os ícones, os vestidos e o pessoal da basílica", acrescentam as autoridades. A Igreja do Santo Sepulcro foi fechada em 25 de março, pouco antes da Páscoa, como parte das medidas  para conter a epidemia do coronavírus em Israel e nos territórios palestinos.

Faixa de Gaza registra primeira morte

Oficialmente, a epidemia deixou mais de 160.000 pessoas contaminadas em Israel, incluindo 279 mortos. Na Cisjordânia ocupada, as autoridades palestinas registraram oficialmente 368 contaminações e duas mortes. A primeira morte na Faixa de Gaza foi confirmada neste sábado. Até agora, pouco mais de 20 casos haviam sido registrados no local.

Segundo a tradição cristã, o Santo Sepulcro é o lugar onde Jesus foi crucificado e enterrado. O local está localizado em Jerusalém Oriental, na Cidade Velha, ocupada e anexada por Israel. Todo ano a igreja é visitada por milhões de pessoas.

Depois de interromper a propagação do vírus, as autoridades israelenses retiraram parte das medidas de contenção para tentar reviver a economia.Os locais de culto foram autorizados a reabrir na quarta-feira, mas com acesso limitado a 50 pessoas.

(Com informações da AFP)

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.