Acessar o conteúdo principal
Barein/Condenação

ONG pede anulação de prisões injustas de médicos no Barein

Regime do Barein bota nas ruas aliados para protestar contra manifestantes pró-democracia
Regime do Barein bota nas ruas aliados para protestar contra manifestantes pró-democracia Reuters

Organizações de defesa dos direitos humanos condenam a decisão do tribunal de exceção do Barein, que condenou nesta quinta-feira 20 médicos a penas de prisão por terem socorrido, no início do ano, manifestantes feridos em confrontos com policiais durante protestos pró-democracia.

Publicidade

A reação da Anistia Internacional foi de indignação. O diretor da ONG Philip Luther disse que "essas são acusações ridículas contra profissionais civis que trabalham para salvar vidas em circunstâncias difíceis".

"Foi uma retaliação. O tribunal militar condenou médicos e enfermeiras porque eles denunciaram a repressão contra os manifestantes na mídia internacional", disse o diretor, pedindo a libertação dos profissionais de saúde.

Eles foram presos entre fevereiro e março, durante as revoltas populares de xiitas contra a monarquia sunita do Barein. Treze deles foram condenados a 15 anos de prisão e sete tiveram penas entre 5 e 10 anos.

A acusação alega que os médicos, portando armas, ocuparam a força um hospital, roubaram medicamentos, espalharam notícias falsas e incitaram o ódio contra o regime, o que foi chamado pelo tribunal de "atos terroristas".

EUA não repudiam prisões com veemência

Em vez de repudiar a sentença, o governo dos Estados Unidos, que tem uma relação estreita com a monarquia do Barein, se disse apenas "profundamente incomodado" com a condenação. Os norte-americanos possuem uma base naval no país que é estratégica para a presença deles nessa região do Golfo Pérsico.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.