Acessar o conteúdo principal
Fórum Ásia-Pacífico

Obama propõe maior zona de livre comércio a líderes da Ásia e do Pacífico

O presidente norte-americano, Barack Obama, discursou em Honolulu, no Havaí, neste domingo.
O presidente norte-americano, Barack Obama, discursou em Honolulu, no Havaí, neste domingo. REUTERS/Larry Downing

Durante o Fórum de Cooperação Econômica Ásia-Pacífico, realizado neste fim de semana no Havaí, os Estados Unidos se empenharam em renovar sua liderança na região. O país anunciou um acordo para criar uma nova zona de livre comércio e insistiu na necessidade de cooperação para combater a crise mundial.

Publicidade

Raquel Krahenbühl, correspondente da RFI em Washington

Ao final da Cúpula da Apec neste domingo, no Havaí, os dirigentes da Ásia e do Pacífico quebraram a tradição de se vestirem com a roupa local. Anfitrião do encontro, o presidente americano, Barack Obama, achou melhor abandonar este hábito, julgando que seria um pouco ridículo os líderes posarem para a chamada foto de família com as camisas floridas típicas do Havaí. Segundo a imprensa americana, os chefes de Estado e de governo presentes não queriam dar uma demonstração de estarem em férias em um contexto de grave crise mundial.

O comunicado final do encontro dizia que as dificuldades tem fortalecido o compromisso de cooperacão e os líderes decidiram criar uma maior área de livre de comércio.

"Nós reconhecemos que futuras aberturas comerciais são essenciais para se chegar a uma recuperação economica sustentável", explicava o documento.

O presidente Barack Obama afirmou que o comércio com a região pode duplicar as exportações americanas e, dessa maneira, criar milhões de empregos no país.

"Nós não seremos capazes de colocar nosso pessoal de volta ao trabalho a menos que a região tenha sucesso", afirmou Obama.

Para alcançar essa meta, os Estados Unidos anunciaram um acordo para criar a Parceria de Livre Comércio Transpacífica, com a participação de mais oito países: Austrália, Nova Zelândia, Malásia, Brunei, Cingapura, Vietnã, Chile e Peru. Japão, Canadá e México, que não fazem parte do acordo, acabaram expressando interesse em se unirem ao grupo.

É hora da China seguir as regras do jogo, diz Obama

A China também não faz parte do acordo e oficiais chineses se queixaram por não terem sido convidados para participarem das discussões sobre o tratado. Autoridades americanas afirmaram, no entanto, que é preciso que a parceria seja "aspirada" com o cumprimento de padrões de livre e justo comércio.

Obama reafirmou que a China precisa seguir as regras do jogo e lembrou que a desvalorização da moeda chinesa, que encarece as exportacões americanas, e a violação dos direitos intelectuais de companhias americanas ainda são “dores de cabeça” para os Estados Unidos.

"A China não está fazendo o suficiente para permitir que sua moeda se valorize", insistiu Obama, acrescentando em seguida torce pelo crescimento da China.

Durante a cúpula, Obama teve encontros bilaterais com os líderes de China, Rússia e Japão. Apesar da questão econômica ter dominado as conversas, o presidente americano aproveitou para fazer lobby para conter as ameaças nucleares iranianas. Obama disse que sanções econômicas contra o Irã têm um enorme impacto e que ele vai consultar outras nações sobre novos passos para assegurar que o Irã não crie uma arma nuclear.

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.