Acessar o conteúdo principal
OIT/Conferência

Em Genebra, Suu Kiy pede investimentos em Mianmar

A líder democrática de Myanmar, Aung San Suu Kyi, durante coletiva de imprensa desta quinta-feira na Organização Internacional do Trabalho, em Genebra.
A líder democrática de Myanmar, Aung San Suu Kyi, durante coletiva de imprensa desta quinta-feira na Organização Internacional do Trabalho, em Genebra. REUTERS/Valentin Flauraud

A líder da oposição em Mianmar, a ex-Birmânia, Aung San Suu Kyi, fez um vibrante apelo nesta quinta-feira  por investimentos estrangeiros em seu país, em discurso na Conferência Internacional do Trabalho, na sede da ONU, em Genebra. A opositora, que passou 22 anos em prisão domiciliar e eleita este ano para o parlamento, foi recebida com uma ovação pelo plenário da OIT.

Publicidade

Em seu discurso na tribuna do Palácio da ONU, ela pediu às empresas estrangeiras que ajudem no desenvolvimento do país, dando uma chance aos jovens birmaneses que não puderam ter acesso à educação durante o longo regime militar.

“É um pedido urgente da minha parte”, disse a líder da Liga Nacional pela Democracia. As empresas não vão apenas por “altruísmo, eu sei”, disse Suu Kyu, mas “espero que os lucros delas sejam divididos com a população, especialmente os jovens”.

Aung San Suu Kyi disse não querer a saída da petrolífera francesa Total do país, considerando que a empresa é um investidor responsável para Mianmar.  “Acho que Total é um investidor responsável, apesar de certos questionamentos durante o período da junta militar, mas hoje, ela (Total) é sensível a questões dos direitos humanos”, disse.

A líder também afirmou não ter intenção de pedir à americana Chevron de renunciar as suas atividades no país.

Aung San Suu Kiy convidou todos os participantes da Conferência da OIT a visitarem Mianmar "para observar de perto todo o potencial que representa a juventude" de seu país.

Depois de visitar a Suíça, a líder da oposição irá à Nouega onde irá receber o prêmio Nobel da Paz, atribuído a ela em 1991. Na época, ela foi impedida de deixar o país pela junta militar. 

 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.