Acessar o conteúdo principal
Israel/ corrupção

Ex-premiê israelense Ehud Olmert é condenado por corrupção

O antigo premiê israelense, Ehud Olmert, em foto de 21 de maio de 2008, em Knesset.
O antigo premiê israelense, Ehud Olmert, em foto de 21 de maio de 2008, em Knesset. (Photo : Reuters)

O Tribunal de Jerusalém declarou hoje o ex-primeiro-ministro israelense Ehud Olmert culpado de crime de corrupção em um processo em que ele era julgado pelo favorecimento de empresas gerenciadas por um ex-sócio, quando foi prefeito de Jerusalém e depois ministro do Comércio e da Indústria, entre 1993 e 2006. A sentença será anunciada em setembro.

Publicidade

Ele poderá ser condenado a prisão ao ser condenado culpado de corrupção no chamado caso “Centro de Investimentos”, um organismo oficial pelo qual ele favoreceu empréstimos e garantias para uma empresa de Uri Messer, seu ex-sócio em um escritório de advocacia, enquanto exercia o cargo de ministro do Comércio e da Indústria (2003-2006). Ao longo de dois anos, mais de 280 testemunhas foram ouvidas para comprovar as operações ilícitas. De acordo com juristas israelenses, a sentença poderá resultar na cassação dos direitos políticos do ex-premiê por sete anos.

Também hoje, Olmert foi inocentado “pelo benefício da dúvida” em dois outros casos em que também era acusado de corrupção, os casos "Talansky" e "Rishon Tours". Num deles, o Tribunal de Jerusalém considerou o premiê inocente da acusação de ter recebido milhões em dinheiro de um empresário judeu americano para facilitar seus negócios quando era ministro. Olmert também foi inocentado da acusação de ter sido reembolsado várias vezes de viagens feitas ao exterior.

“Os casos Talansky e Rishon Tours eram o centro das acusações contra mim e eu saí limpo dos dois. Tudo era falso”, declarou Olmert, após o anúncio do veredito. Ele sempre clamou inocência em todos os processos. Quanto ao caso em que foi considerado culpado, o ex-primeiro-ministro comentou que a sentença reflete “um comportamento errado em relação ao procedimento”.

Ex-dirigente do partido Kadima, Omlert pediu demissão do cargo de chefe do Governo israelense depois que a polícia recomendou o seu indiciamento pela série de suspeitas de corrupção, em 21 de setembro de 2008.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.