Acessar o conteúdo principal
Bangladesh/desabamento

Mulher é encontrada com vida debaixo de escombros em Bangladesh

Equipe de resgata transporta mulher encontrada com vida nesta sexta-feira, 10 de maio, dentro do Rana Plaza, prédio que desabou em Bangladesh causando a morte, até agora, de 1035 pessoas.
Equipe de resgata transporta mulher encontrada com vida nesta sexta-feira, 10 de maio, dentro do Rana Plaza, prédio que desabou em Bangladesh causando a morte, até agora, de 1035 pessoas. REUTERS/Sohel Ahmed

Uma sobrevivente foi encontrada com vida nos escombros do prédio Rana Plaza, que desabou em Bangladesh há 17 dias, deixando pelo menos 1035 mortos. A mulher, que se chama Reshmi, foi localizada em um buraco, debaixo de uma pilastra. Segundo as equipes de resgate, ela pode ter sobrevivido graças à água injetada pelos bombeiros no local.

Publicidade

Segundo o chefe dos bombeiros, Ahmed Ali, trata-se de um verdadeiro milagre, e Reshmi pediu ajuda enquanto as equipes inspecionavam as ruínas do Rana Plaza. "Enquanto estavámos limpando os escombros, chamamos para ver se alguém ainda estava vivo. Nesse instante, ela gritou : Por favor, me salvem, por favor, me salvem!", disse o bombeiro que encontrou Reshmi, que preferiu não se identificar.

Um novo balanço, publicado nesta sexta-feira, mostra que o número de mortos na tragédia já chegou a 1041 pessoas. O desabamento já está sendo considerado como um dos piores acidentes da história da indústria têxtil mundial. O imóvel de nove andares, situado em Savar, no subúrbio de Dacca, a 30 quilômetros da capital. Como o acidente aconteceu há 17 dias, muitos cadáveres estão em estado de decomposição, o que tem dificultado o trabalho das equipes de resgate. Vários corpos foram encontrados debaixo das escadas, onde as vítimas buscaram abrigo quando o prédio desabou.

Mais de 3 mil trabalhadores trabalhavam no local e muitos deles ganhavam menos de 30 euros por mês para confeccionar roupas para marcas europeias, como a britânica Primark ou a espanhola Mango. De acordo com as autoridades do país, 2437 pessoas foram retiradas vivas dos escombros.

O Bangladesh é o segundo exportador no mundo de roupas, principalmente por conta do custo da mão de obra, mas as condições de trabalho e as normas de segurança são constantes alvos de denúncias de ONGs de defesa de direitos humanos. A ONU pediu nesta quarta-feira às grandes marcas internacionais de roupas um maior comprometimento em relação às condições de trabalho.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.