Acessar o conteúdo principal
Israel/Palestina

Israelenses e palestinos retomam negociações de paz

O presidente palestino Mahmoud Abbas reunido com líderes palestinos para preparar retomada de diálogo com Israel.
O presidente palestino Mahmoud Abbas reunido com líderes palestinos para preparar retomada de diálogo com Israel. REUTERS/Issam Rimawi/Pool

Depois de quase três anos de impasse, israelenses e palestinos voltam nesta segunda-feira à mesa de negociações, com moderação americana. O anúncio, que já era esperado, foi feito oficialmente neste domingo pela Casa Branca.

Publicidade

Daniela Kresch, correspondente da Rádio França Internacional em Tel Aviv

As conversas serão lideradas pela ministra da Justiça, Tzipi Livni, e pelo advogado Yitzhak Molcho, do lado israelense, e pelos negociadores Saeb Erekat e Mohamed Shtayyeh, do lado palestino. Eles se encontram na terça-feira em Washington depois de um jantar nesta segunda-feira, entre assessores.

As últimas negociações diretas entre os dois lados aconteceram em 2010 e não foram adiante por causa da exigência dos palestinos de um congelamento total na construção em assentamentos israelenses na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental.

A retomada só aconteceu por causa da insistência do secretário de Estado americano, John Kerry, que fez seis viagens oficiais ao Oriente Médio para convencer os dois lados a dar mais uma chance à paz.

O último obstáculo antes da retomada foi ultrapassado neste domingo, quando o gabinete do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, aprovou a libertação de 104 presos palestinos de alta periculosidade detidos há mais de 20 anos.

Eles foram responsáveis por alguns dos ataques terroristas mais notórios já ocorridos no país. Mas, para o presidente palestino Mahmoud Abbas, todos os prisioneiros deveriam ter sido anistiados há 20 anos, na época dos Acordos de Oslo, em 1993.

Os partidos conservadores e de extrema-direita que fazem parte do governo israelense reclamaram, mas ganharam uma contrapartida: o projeto de lei que estabelece um referendo popular para corroborar qualquer acordo de paz com os palestinos.

 

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.