Acessar o conteúdo principal
Irã/Nuclear

Enriquecimento de urânio é um dos obstáculos para acordo nuclear com Irã

Negociações sobre o programa nuclear iraniano continuam em clima tenso, em Genebra.
Negociações sobre o programa nuclear iraniano continuam em clima tenso, em Genebra. REUTERS/Denis Balibouse

Os negociadores do programa nuclear iraniano retomam as discussões nesta quinta-feira, em Genebra, para analisar os detalhes do projeto de acordo entre Teerã e as potências mundiais. As expectativas não são mais tão otimistas diante de algumas divergências, especialmente sobre a questão crucial do enriquecimento de urânio. 

Publicidade

Antes mesmo de voltarem à mesa de discussões, as duas partes mantém suas posições firmes de não ceder em determinados pontos. O Irã não aceitará nenhum acordo que não garanta seu direito de enriquecer urânio do princípio ao fim, afirmou o negociador do país, Abbas Araghchi em sua conta no twitter.

Na manhã desta quinta-feira ele voltou a insistir que esta é uma "linha vermelha" que não deverá ser ultrapassada. O problema para a delegação iraniana é a falta de confiança que se instalou desde a última rodada de negociações de 9 de novembro.

A França foi acusada de ser um entrave na última reunião devido a suas exigências. Durante sua visita a Israel no final de semana, o presidente François Hollande expôs os 4 pontos considerados imprescindíveis para a conclusão de um acordo, entre eles a inspeção de todas as instalações nucleares e a suspensão do enriquecimento de urânio a 20%, uma etapa considerada importante para desenvolver armas atômicas.

Na quarta-feira, o Guia Supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, acusou a França de se curvar à Israel. Em entrevistas à mídia francesa, o ministro das Relações Exteriores Laurent Fabius se disse confiante na conclusão de um "acordo sólido" baseado em resoluções firmes.

A chefe da diplomacia da União Europeia, Catherine Ashtom, negocia em nome das potências mundiais conhecidas pela sigla 5 + 1, reunindo Estados Unidos, França, Grã-Bretanha, China, Rússia mais a Alemanha. Ela e o chanceler iraniano Mohammad Javad Zarif vão discutir o texto de um "acordo provisório" de seis meses prevendo um freio no programa nuclear do Irã em troca de um alívio nas sanções contra o regime de Teerã.

Os detalhes não foram revelados, mas o ponto crucial das discussões é o enriquecimento de urânio, do qual o regime iraniano não abre mão. A comunidade internacional suspeita que por trás de seu programa nuclear civil o Irã tenha intenção de construir a bomba atômica.

 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.