Acessar o conteúdo principal
Turquia/Censura

Após Twitter, Turquia bloqueia site YouTube

O site Youtube foi bloqueado pelas autoridades turcas.
O site Youtube foi bloqueado pelas autoridades turcas. REUTERS/Umit Bektas

As autoridades turcas bloquearam o acesso ao site de vídeo YouTube no país. A medida é uma resposta à divulgação de documentos que comprometiam o governo. Ancara já havia tentado suspender o Twitter na semana passada. A comunidade internacional criticou a decisão da Turquia.

Publicidade

Uma semana após a rede social Twitter, o governo turco decidiu tirar o site YouTube do ar. Os usuários que tentaram visitar a plataforma de vídeos nessa quinta-feira (27), foram surpreendidos por uma mensagem informando que o acesso havia sido “bloqueado pela Autoridade turca de telecomunicações”.

A medida, tomada às vésperas de eleições municipais cruciais para o primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan, foi uma reação à difusão no YouTube de um documento sobre uma possível intervenção da Turquia na Síria. Na gravação, as vozes de quatro homens, apresentados como responsáveis políticos turcos, entre eles o chanceler, Ahmet Davutoglu, e o chefe do serviço secreto do país, Hakan Fidan, falam abertamente de uma operação secreta que poderia justificar uma resposta militar de Ancara no território sírio. A autenticidade e a data do documento não foram confirmados.

Em um comunicado o ministério das Relações Exteriores não desmentiu a existência do arquivo, mas disse que a gravação havia sido “manipulado” e critica o que considera como um “ataque odioso” e um “grave ato criminoso”. O primeiro-ministro Erdogan fala de um “ato covarde” e diz que vai perseguir os responsáveis pela divulgação. Já o chanceler Davutoglu qualificou a difusão de “declaração de guerra contra o Estado e o povo turco”, que coloca em risco a segurança nacional.

Reações

A comissária europeia encarregada de novas tecnologias, Neelie Kroes, criticou a medida. Para a representante de Bruxelas, a postura de Ancara é uma novo atentado “desesperado e deprimente” contra a liberdade de expressão. Do lado dos norte-americanos, a porta-voz do departamento de Estado, Marie Harf, se disse preocupada com a decisão turca de informou que Washington espera o fim do bloqueio.
 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.