Acessar o conteúdo principal
Israel/Gaza

Forças israelenses retiram soldados do norte mas vão manter combates "até o fim", diz premiê

Soldado israelense neste sábado perto da Faixa de Gaza.
Soldado israelense neste sábado perto da Faixa de Gaza. REUTERS/Siegfried Modola

Israel retirou uma parte dos soldados no norte de Gaza neste sábado (2), mas a ofensiva vai continuar na região, segundo o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu. O premiê declarou que o Hamas "vai pagar caro" pelos ataques contra Israel e que está determinado a agir "o tempo que for necessário." O Hamas reagiu, dizendo que manterá o combate até "atingir seu objetivo."

Publicidade

As forças armadas israelenses retiraram neste sábado uma parte dos soldados concentrados no norte da Faixa de Gaza, segundo dois canais de TV do país. O exército informou à população das cidades de Beit Lahuiya e Al-Atatra que era necessário "prestar atenção" às bombas que o Hamas havia disseminado na região da fronteira, mas que poderiam voltar às suas casas.

As duas cidades, atacadas nas duas últimas semanas, estão situadas entre o vilarejo de Umm el -Nasr e o centro de Gaza, mas ainda continuavam desertas no sábado. Apesar do anúncio feito pelos israelenses, os habitantes têm medo de voltar para suas residências e preferem continuar abrigados em escolas ou outros locais utilizados como refúgios pela população desde o início da ofensiva.

Hoje o premiê Benjamin Netanyahu declarou que continuará os combates depois da destruição dos túneis para evitar novos ataques a partir de Gaza. Ele manterá as forças na região "o tempo que for necessário, com as forças que fossem necessárias", disse. "Nossas forças continuarão a agir de acordo com nossas necessidades, até atingirmos o objetivo de reestabelecer a segurança dos cidadãos de Israel. O Hamas vai pagar caro pelos ataques", disse o premiê.

As forças israelenses darão continuidade à missão de destruição de alvos estratégicos: túneis, fábricas, depósitos e centros de comando.

Ataques deixam 74 mortos hoje em Gaza

Apesar da trégua no norte, o restante da região continua sendo submetido aos bombardeio e pelo menos 74 pessoas morreram hoje na Faixa de Gaza, a maior parte em Rafah, que se tornou alvo dos militares israelenses desde o desaparecimento, nesta sexta-feira, do soldado Hadar Goldin, de 23 anos.

Segundo o exército do país, ele foi capturado durante uma operação para destruir os túneis utilizados pelo Hamas, que diz não ter notícias do militar. Com isso, o cessar-fogo de três dias que havia sido decidido na quinta-feira, durou apenas algumas horas, e os bombardeios foram retomados já na sexta-feira.

Delegação palestina se reúne com responsáveis egípcios neste domingo

Neste sábado, uma delegação composta de representantes do Hamas, de seu aliado Jihad Islâmico e do Fatah chegou à noite no Cairo para relançar as negociações sobre a interrupção dos combates.

O encontro com os responsáveis egípcios deve acontecer neste domingo. Israel decidiu não participar da reunião, se recusando a negociar com o Hamas, "que não é digno de confiança", segundo o gabinete de segurança.

De acordo com o último balanço das equipes médicas em Gaza, a operação "Limite Protetor" lançada por Israel no dia 8 de julho já deixou 1669 palestinos mortos, a maioria civis, e 63 soldados israelenses.

 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.