Acessar o conteúdo principal
Japão/Catástrofe

Deslizamentos de terra em Hiroshima deixam 39 mortos e 43 desaparecidos

Membros de equipes de resgate fazem buscas por sobreviventes dos deslizamentos de terra em Hiroshima, nesta quinta-feira (21).
Membros de equipes de resgate fazem buscas por sobreviventes dos deslizamentos de terra em Hiroshima, nesta quinta-feira (21). REUTERS/Toru Hanai

O balanço de vítimas dos deslizamentos de terra em Hiroshima, no sudoeste do Japão, aumentou nesta quinta-feira (21) para 39 mortos e 43 desaparecidos. As autoridades locais são criticadas por terem demorado para tomar providências diante da catástrofe.

Publicidade

Mais de 2.500 bombeiros, policiais e soldados foram enviados a Hiroshima para ajudar na busca por sobreviventes. Com a ajuda de voluntários, eles vasculharam os destroços nos bairros de Asaminami e Asakita.

Entre as vítimas estão dois irmãos de 2 e 11 anos, que ficaram presos em casa, e um menino de 3 anos, morto nos braços de um bombeiro.

As zonas mais atingidas, ao pé de uma montanha, foram evacuadas e cerca de mil pessoas estão abrigadas em locais públicos por medo de novos desabamentos ou porque suas casas não estão mais em condições habitáveis.

Esses deslizamentos de terra e blocos de pedra são consequência de fortes chuvas. Em três horas as precipitações foram maiores do que a média mensal, segundo os especialistas.

Reação tardia das autoridades

As autoridades reconhecem que não avaliaram corretamente o perigo e que demoraram para pedir que os habitantes deixassem suas casas.

A agência de meteorologia havia alertado desde as 22 horas de terça-feira, no horário local, sobre o perigo de chuvas muito violentas, mas a prefeitura só criou uma célula dedicada a essa emergência três horas mais tarde.

Até 1.780 funcionários foram mobilizados em plena noite para administrar a situação, mas a essa altura os desabamentos já haviam começado. A evacuação foi ordenada somente às 4h15 de quarta-feira.

Hiroshima é a região do Japão mais suscetível a esse tipo de fenômeno devido à natureza instável dos solos.

Apoio moral

Diante do drama, o imperador e a imperatriz do Japão enviaram uma mensagem de simpatia à população, um apoio moral muito apreciado pelos japoneses.

Segundo a imprensa local, mensagens de condolências também chegaram do exterior. As manifestações do presidente da Rússia, Vladimir Putin, e do governo da Coreia do Sul chamaram a atenção porque o Japão tem atualmente relações tensas com os dois países.

Depois de um dia de calma, mais chuvas são esperadas na madrugada desta quinta-feira e na sexta-feira. Visto o estado atual dos solos, os especialistas avisam que podem ocorrer novos desabamentos.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.