Acessar o conteúdo principal
Ucrânia/Crise

Ucrânia acusa Rússia de mobilizar milhares de militares na Crimeia

O exército ucraniano afirmou que a Rússia mobilizou cerca de 4 mil soldados na fronteira com a Crimeia.
O exército ucraniano afirmou que a Rússia mobilizou cerca de 4 mil soldados na fronteira com a Crimeia. REUTERS/Pavel Rebrov

O governo ucraniano acusou nesta quinta-feira (18) a Rússia de ter posicionado 4 mil soldados ao longo de sua "fronteira administrativa" com a Crimeia. A denúncia é feita horas antes do encontro, em Washington, entre os presidentes dos Estados Unidos, Barack Obama, e da Ucrânia, Petro Porochenko.

Publicidade

Essa demonstração de força na península ucraniana, anexada em março pela Rússia, acontece depois das declarações favoráveis de Moscou às propostas do presidente Porochenko de tentar acabar com o conflito no leste da Ucrânia.

Segundo o porta-voz do exército ucraniano, Andrii Lyssenko, "quase todas as unidades russas estacionadas na parte norte da Crimeia ocupada, aproximadamente 4 mil soldados, estão posicionadas na fronteira administrativa com a Ucrânia, e com todos seus equipamentos e munição".

Esse deslocamento de soldados foi anunciado na terça-feira pelo ministro russo da Defesa, Serguei Choigou. Segundo ele, a necessidade de mobilizar as tropas na Crimeia leva em conta a "expansão do dispositivo militar (do sul da Rússia) após a integração da Crimeia".

O ministro também fez referência ao agravamento da crise (ucraniana) e ao aumento das forças estrangeiras perto da fronteira russa. Na segunda-feira, tiveram início exercícios militares reunindo 15 países, entre eles, os Estados Unidos.

A diplomacia ucraniana expressou "grande preocupação" e acusou Moscou de tentar "desestabilizar a situação em toda a região". Kiev teme a criação de uma área sob controle dos separatistas pró-russos que se estenderia da fronteira russo-ucraniana até à fronteira "administrativa" entre a Ucrânia e a Crimeia. Tal cenário representaria uma "ponte terrestre" entre a Rússia e a região da Crimeia.

Porochenko vai pedir "status especial"

Segundo a Otan, 20 mil soldados russos estão distribuídos ao longo da fronteira russo-ucraniana, especialmente na região de Rostov. A Aliança Atlântica afirma que mil soldados russos se encontram no leste da Ucrânia. Moscou desmente categoricamente essa afirmação.

No terreno diplomático, o presidente ucraniano, Petro Porochenko, tem encontro agendado com o democrata Barack Obama em sua primeira visita à Washington como chefe de Estado. Ele vai falar diante do Congresso americano e deverá pedir a Obama um "status especial" para a Ucrânia como um aliado não-membro da OTAN. Essa iniciativa é mal vista por Moscou e deve acirrar ainda mais a tensão entre a Rússia e os países ocidentais devido ao conflito no leste da Ucrânia que já deixou 2.900 mortos.

A crise já levou os Estados Unidos e a União Europeia a anunciar uma série de sanções econômicas contra Moscou. Segundo o presidente Putin, as sanções violam os princípios da Organização Mundial do Comércio.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.