Acessar o conteúdo principal
Voo QZ8501/AirAsia

Buscas por destroços de voo da AirAsia se concentram no fundo do mar de Java

Experts internacionais em segurança érea como os franceses da BEA se juntam ao exército indonésio, em Kalimantan, na tentativa de recuperar novos corpos nesta sexta-feira, 2 de janeiro de 2015.
Experts internacionais em segurança érea como os franceses da BEA se juntam ao exército indonésio, em Kalimantan, na tentativa de recuperar novos corpos nesta sexta-feira, 2 de janeiro de 2015. REUTERS/Darren Whiteside

As buscas pelos restos do avião da AirAsia que se acidentou há cerca de uma semana vão se concentrar, a partir dessa sexta-feira (2), em operações submarinas. A aeronave caiu no mar de Java, perto da ilha de Bornéo. O mau tempo nos últimos dias tem atrapalhado o trabalho das equipes de investigação que tentam localizar as caixas-pretas.  

Publicidade

As equipes de buscas e investigações do avião da AirAsia que caiu no Mar de Java no último domingo esperam obter avanços importantes a partir de hoje, apesar do mau tempo na região. Nesta sexta-feira (2), dois investigadores franceses do Escritório de Investigação e Análise, o BEA, foram enviados para acompanhar as operações. Até o momento, 30 corpos foram resgatados do total de 162 pessoas que estavam a bordo do voo QZ8501.

Aeronave pode ter feito pouso forçado na água

Ontem, especialistas em aviação se pronunciaram sobre a possibilidade de o piloto do QZ8501 ter conseguido fazer um pouso de emergência no Mar de Java. A explicação é que o transmissor de localização de urgência, que é acionado em caso de impacto, não funcionou.

Um tobogã inflável, utilizado em evacuações de urgência, e a porta de uma saída de emergência foram encontrados no local onde caiu o avião. Para o especialista em aeronáutica entrevistado pela RFI, Gérard Feldzer, o fato de que alguns corpos terem sido encontrados com o colete salva-vidas indicariam que eles teriam conseguido sair do avião. Isso reforça também a teoria de que a aeronave conseguiu pousar na água.

29 barcos e 17 aviões participam dos trabalhos de busca. Os mergulhadores da marinha indonésia esperam que o mar se acalme para começar a busca submarina. A prioridade, segundo o diretor das operações, Bambang Soe Listio, é encontrar a aeronave e as caixas-pretas, que vão revelar o motivo do acidente.

 

 

 

 

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.