Acessar o conteúdo principal
Nigéria/Terrorismo

Boko Haram mata mulher no meio do parto na Nigéria

Um soldado do Chade patrulha a fronteira do país com a Nigéria, onde acontecem os ataques do Boko Haram.
Um soldado do Chade patrulha a fronteira do país com a Nigéria, onde acontecem os ataques do Boko Haram. (Photo : AFP)

A Anistia Internacional denuncia nesta quinta-feira (15) novas atrocidades cometidas pelo grupo radical islâmico Boko Haram no noroeste da Nigéria. No início do mês, os extremistas mataram uma mulher no meio do parto e assassinaram centenas de moradores durante o ataque maciço a aldeias do Lago do Chade. O secretário de Estado americano, John Kerry, qualificou os massacres do Boko Haram de "crimes contra a humanidade".

Publicidade

De acordo com o relato de um sobrevivente à Anistia Internacional, a mulher levou vários tiros quando estava dando à luz. "A metade do bebê já tinha saído", disse a testemunha, "e ela morreu assim". O crime contra a gestante aconteceu em Baga, cidade que abastece dezenas de aldeais de pescadores nas margens do Lago do Chade.

Segundo a Anistia Internacional, esse ataque maciço do Boko Haram, ocorrido no dia 3 de janeiro, pode ter sido o pior massacre executado pelo grupo desde que ele adotou a luta armada, em 2009, para criar uma zona de regime fundamentalista islâmico no noroeste da Nigéria. Acredita-se que o objetivo era matar civis que colaboram com o exército nigeriano no combate aos extremistas.

Em Baga, testemunhas viram ao menos 100 cadáveres. Mas outros sobreviventes relatam ter visto corpos espalhados ao longo de 5 quilômetros depois da passagem dos combatentes.

Dezesseis aldeias foram queimadas pelo Boko Haram, de acordo com as autoridades nigerianas, provocando a fuga de 20 mil pessoas. Nos últimos meses, o grupo conquistou um vasto território no norte da Nigéria e pratica, diariamente, ataques sangrentos.

Kerry condena "crime contra a humanidade"

Nesta quinta-feira, durante uma entrevista coletiva na Bulgária, o secretário de Estado americano, John Kerry, qualificou esse último ataque do Boko Haram de "crime contra a humanidade" pelo "massacre atroz de inocentes". Para o chefe da diplomacia americana, o Boko Haram é uma das organizações terroristas mais perigosas em atividade no planeta.

Os combatentes do grupo representam uma ameaça à Nigéria, à região e aos valores ocidentais, comentou o secretário. Ele acrescentou que os Estados Unidos e o Reino Unido estudam a possibilidade de lançar uma operação especial na Nigéria contra o Boko Haram.

"Ninguém deve duvidar da determinação do mundo de tratar esse problema", insistiu o secretário, "da mesma forma que tratamos o [grupo] Estado Islâmico, os combatentes islâmicos Shebab [da Somália], a Frente al-Nusra [braço sírio da Al-Qaida] e outros grupos que desafiam os valores que guiam o mundo há muito tempo".

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.