Acessar o conteúdo principal
Iraque/ terrorismo

Alemanha diz que curdos foram atacados com armas químicas

Combatentes curdos lutam contra jihadistas no Iraque.
Combatentes curdos lutam contra jihadistas no Iraque. REUTERS/Youssef Boudlal

Combatentes curdos foram alvo de um ataque com armas químicas na região norte do Iraque, anunciou o ministério alemão da Defesa, que treinou as forças. A autoria do crime, ocorrido há poucos dias, ainda não foi determinada. Por equanto, a agressão não deixou vítimas fatais. Essa não foi a primeira vez que os curdos são vítimas de um ataque químico.

Publicidade

"Aconteceu um ataque com armas químicas e vários peshmergas ficaram feridos, com irritações nas vias respiratórias", afirmou um porta-voz do ministério. O porta-voz não revelou quem estava por trás do ataque. "Especialistas americanos e iraquianos estão a caminho para determinar o que aconteceu", disse.

Os curdos lutam atualmente contra o grupo jihadista Estado Islâmico (EI). O ataque aconteceu ao sudoeste de Erbil, capital da região autônoma do Curdistão do Iraque.

A ação com gás tóxico foi realizada com um morteiro, segundo o porta-voz alemão, sem explicar a natureza do produto utilizado. A fonte destacou que os soldados alemães presentes no norte do Iraque para treinar os combatentes curdos não correram perigo em nenhum momento.

Terroristas já recorreram a armas químicas

Os jihadistas do EI já foram acusados pelo uso de armas com gases tóxicos contra os combatentes curdos. As Unidades de Proteção do Povo Curdo (YPG) e o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), assim como vários especialistas, afirmaram em julho que foram registrados ataques químicos na província de Hasake (nordeste da Síria) contra combatentes curdos.

Neste caso também não foi determinada a natureza do gás. As forças curdas citaram na ocasião "irritação na garganta, olhos e nariz, acompanhada de dores de cabeça, musculares, perda de concentração, problemas de mobilidade e vômitos".

Em março, o governo do Curdistão iraquiano afirmou ter provas de que o EI usou gás de cloro como arma química contra suas forças. O cloro é um gás sufocante, proibido nos conflitos armados pela Convenção de Armas Químicas de 1997.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.