Acessar o conteúdo principal

Documentos do Panamá Papers são disponibilizados na internet

Cada internauta pode consultar agora a base de dados do escritório panamenho Mossack Fonseca.
Cada internauta pode consultar agora a base de dados do escritório panamenho Mossack Fonseca. RODRIGO ARANGUA / AFP

Uma parte considerável dos chamados "Panama Papers", que revelam um esquema global de evasão fiscal, foram disponibilizados on-line nesta segunda-feira (9) pelo Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ).  

Publicidade

Cada internauta pode agora acessar livremente uma base de dados com uma parte dos milhões de documentos da firma de advocacia panamenha Mossack Fonseca e que incluem o primeiro-ministro da Islândia, recentemente forçado a renunciar, Sigmundur David Gunnlaugsson, e o ex-ministro do Orçamento francês, Jerome Cahuzac, destituído por um escândalo de evasão fiscal em 2013.

"Este é um passo natural para a transparência, permitindo que a sociedade civil possa obter informações básicas sobre o Panamá Papers", explicou Gerard Ryle, diretor do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ), que vazou o escândalo. A base de dados contendo cerca de 214 mil empresas de fachada, e nomes de indivíduos em 21 paraísos fiscais é a publicação "mais importante" existente sobre o assunto, garantiu o ICIJ em um comunicado.

No entanto, apenas alguns dos 11,5 milhões de itens liberados pelo Papéis Panamá revelaram seus segredos, de acordo com a ICIJ. "Há tantos documentos. É impossível saber o que está faltando até se encontrar algo", diz Ryle, que estima que vai demorar "vários meses" antes de conseguir explorar a totalidade do material.

A empresa panamenha Mossack Fonseca ameaça contestar a ação em tribunal. "As pessoas vão encontrar nomes importantes que teremos perdido. Elas entrarão em contato com o ICIJ e nos transmitirão os dados que faltam", diz Ryle, um ex-jornalista de investigação na Austrália e Irlanda, ressaltando a importância desta visibilidade e transparência.

Sua organização, com sede em Washington, realizou a mesma experiência depois de colocar bases de dados on-line sobre escândalos anteriores como o "LuxLeaks", sobre acordos fiscais secretos entre multinacionais e Luxemburgo. O resultado foi extremamente positivo e levou a novas revelações no caso.

 

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.