Acessar o conteúdo principal
Coreia do Norte/testes

Coreia do Norte faz novos testes de mísseis de médio alcance

O líder norte-coreano Kim Jong Un
O líder norte-coreano Kim Jong Un

A Coreia do Norte lançou nesta quarta-feira (22) dois tiros de mísseis de médio alcance, que atingiram cerca de 400 quilômetros de distância e 1.000 de altitude, de acordo com autoridades norte-americanas.

Publicidade

Os dois mísseis Musudan têm capacidade, em princípio, para atingir as bases americanas da ilha de Guam, no Pacífico. O primeiro foi lançado pouco antes das 6h, atingindo pouco mais de 150 quilômetros em cima do mar do Japão. O segundo foi mais longe, segundo analistas japoneses, o que preocupa a comunidade internacional. A trajetória foi calculada para evitar qualquer violação do espaço aéreo japonês. O Musudan teria um alcance de 2.500 a 4.000 quilômetros.

Para Melissa Hanham, especialista em armas de destruição massiva norte-coreanas do Instituto Middlebury, na Califórnia, os dois tiros são um progresso “preocupante”. De acordo com ela, “o segundo foi um sucesso. Os testes são repetições e uma lição é tirada de cada lançamento”, diz. Para o porta-voz do departamento de Estado americano, John Kirby, os tiros “só vão acelerar os esforços da comunidade internacional para colocar um fim no programa de armamentos ilegal de Pyongyang.” A ONU proíbe a Coreia do Norte de desenvolver programas nucleares ou balísticos.

Testes são "intoleráveis", diz primeiro-ministro japonês

O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, também declarou que esse tipo de teste era “intolerável”. Já o ministro japonês da Defesa, Gen Nakatani, disse que "a ameaça contra o Japão se intensifica". O  Ministério sul-coreano das Relações Exteriores ameaçou aumentar as sanções contra o vizinho, denunciando a hipocrisia da recente proposta norte-coreana de diálogo com Seul. A China, aliada de Pyongyang, alertou contra qualquer ação que pudesse resultar em um aumento da tensão e pediu a retomada do diálogo sobre o programa nuclear norte-coreano, que já é alvo de várias sanções da ONU. 
 

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.