Acessar o conteúdo principal
Casamento/Japão

Casamento atrai cada vez menos jovens japoneses

Casamento não atrai jovens japoneses.
Casamento não atrai jovens japoneses. DaviPeixoto

Os jovens japoneses pensam cada vez menos em se casar. Eles citam seus salários como principal obstáculo para responder às expectativas das mulheres. De acordo com um estudo de uma empresa de seguros de vida, japoneses e japonesas depositam pouca esperança no futuro econômico do país.

Publicidade

Frédéric Charles, correspondente da RFI no Japão

Casa-se cada vez menos e cada vez mais tarde no Japão. Há 25 anos, as novas gerações crescem junto com a recessão e os salários cada vez mais baixos. De acordo com um estudo feito pela empresa Meiji-Yasuda, apenas 38,7% dos homens solteiros na faixa dos 20 anos dizem querer se casar em um futuro mais ou menos próximo, contra 67% há apenas três anos.

As japonesas também são tão realistas ou tão pouco românticas quanto os homens. Hoje 59% querem se casar, contra 82% há três anos. E sob condições. Mais da metade das mulheres querem que o marido em potencial ganhe pelo menos 4 milhões de ienes por ano (cerca de R$ 127 mil). Mas apenas 15% dos japoneses na faixa dos 20 anos ganha isso.

Governo quer combater queda da natalidade

É uma má notícia para o primeiro-ministro Shinzo Abe, que quer incentivar a natalidade para acabar com a diminuição da população japonesa. Mas criar creches suplementares para que os casais tenham uma carreira profissional e uma vida de família não parece suficiente para motivar os casamentos. O mal estar é mais profundo. Os jovens que só conheceram a recessão não têm muitas esperanças no futuro.

Muitas empresas japonesas propõem duas escolhas às mulheres: uma carreira profissional ou o casamento e a vida de família. Não ambos. Um grande número de nipônicas prefere a carreira. Com isso, a taxa de natalidade sofre as consequências. Ela é de 1,4 filho por mulher. O governo quer aumentar o índice para 1,8. Para acabar com o encolhimento da população, é preciso que a taxa seja de 2,1 filhos por mulher.

Empresa propõe casamentos solo para solteironas

Para lidar com esse problema, uma empresa de Kyoto propõe “casamentos individuais”, o “solo wedding”. O serviço torna realidade o sonho de uma mulher de viver um dia de casamento, mas sozinha. A noiva é penteada, maquiada e veste um longo vestido branco. Ela pode visitar Quioto, fazer sessões de fotos nos jardins e fechar o pacote com um jantar em um restaurante chique, sempre desacompanhada.

As clientes solteiras desse serviço tem entre 35 e 60 anos. As mais jovens são reticentes, pois a opção de um casamento ainda não está completamente descartada.

 

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.