Acessar o conteúdo principal
Meio Ambiente

Carbono florestal provoca racha entre ONGs na COP 22

Áudio 05:26
Iniciativas inovadoras de proteção das florestas ganham impulso na COP22.
Iniciativas inovadoras de proteção das florestas ganham impulso na COP22. LecomteB/Wikimedia Commons

O governo brasileiro está sob pressão na Conferência do Clima das Nações Unidas (COP22), realizada atualmente em Marrakech, de um certo número de ONGs e empresas que reivindicam a inclusão da conservação de florestas no novo Mecanismo de Desenvolvimento Sustentável criado pelo Acordo de Paris. O assunto tem a ver com o mercado de carbono e provoca um racha entre as organizações.

Publicidade

Da enviada especial a Marrakech

O ambientalista André Ferretti, coordenador do Observatório do Clima, discorda do governo brasileiro. "Na posição que encaminhou à COP, o Brasil se manifestou contra a entrada das florestas no novo mecanismo de desenvolvimento sustentável, que substitui o mecanismo de desenvolvimento limpo do Protocolo de Kyoto."

Segundo ele, o Brasil é contra a mudança. "Porém muitos segmentos da sociedade brasileira, tanto do setor privado quanto ONGs e parlamentares, querem discutir com mais profundidade essa questão, visto que o desmatamento é responsável pela maior parte de emissões de carbono no Brasil, além disso há poucos incentivos para a preservação de florestas."

Já a ambientalista Maureen Santos, da ONG Carta de Belém, vê um risco muito grande de incluir as florestas nativas no novo mecanismo.

"Quando você as inclui, elas passam a ser contabilizadas como crédito de carbono. E a proteção florestal no Brasil não prevê o "off set", que é essa compensação, na qual você vende um crédito de carbono para um país que já está poluindo ou mesmo internamente, o que permite que as empresas continuem poluindo."

Para o Ministério do Meio Ambiente, o tema ainda não chegou a um consenso e deve continuar em debate no Brasil.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.