Acessar o conteúdo principal

Polícia israelense interroga Netanyahu por "presentes ilegais"

Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel
Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel REUTERS/Baz RatnerREUTERS/Baz Ratner

A polícia israelense começou a interrogar nesta segunda-feira (2) o primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, por ter supostamente recebido "presentes ilegais" de empresários, no âmbito de uma investigação que abalou o país.

Publicidade

A rádio pública anunciou que os investigadores chegaram às 18h30 (14h30 de Brasília) na residência de Netanyahu, localizada em um bairro rico do centro de Jerusalém. O interrogatório deve durar várias horas, segundo os meios de comunicação

"O que eu disse, repito: não falarei nada porque não há nada", disse o premiê, horas antes, durante uma reunião de seu partido, o conservador Likud, no Knesset (parlamento).

De acordo com a imprensa, empresários israelenses e estrangeiros teriam oferecido a Netanyahu presentes de um valor estimado em várias dezenas de milhares de dólares. Se as acusações forem confirmadas, o primeiro-ministro pode ser acusado de "abuso de confiança".

A imprensa também fala de um segundo caso que pode abrir caminho a acusações mais graves de corrupção, mas não divulgou mais detalhes. Entrevistados pela agência France Presse, os porta-vozes da polícia e do gabinete do primeiro-ministro se recusaram a confirmar ou desmentir essa informação.

Netanyahu denuncia campanha de opositores

Os seguranças da residência oficial de Netanyahu cobriram o portão da entrada com um tecido preto, possivelmente para permitir que os investigadores entrem no edifício discretamente.

A rádio pública informou, por sua vez, que o primeiro-ministro havia aceitado ser interrogado "quantas vezes for necessário".

Em sua página do Facebook, Netanyahu negou todos os fatos e acusou seus opositores políticos e alguns meios de comunicação de querer "fazê-lo cair não nas eleições, como prevê a democracia, mas com uma campanha contra ele".

A legislação israelense prevê que qualquer membro do governo contra o qual pese uma acusação de corrupção deve renunciar.

O ministro da Cooperação Regional, Tzahi Hanegbi, próximo a Netanyahu, denunciou nesta segunda-feira na rádio militar "uma campanha de provocação e incitação planejada por meios de comunicação", cujo objetivo foi pressionar o procurador-geral Avishai Mandelblit a autorizar a polícia a interrogar o primeiro-ministro.

Avanço decisivo na investigação

Mandelblit, que foi designado com o apoio de Netanyahu, foi, no entanto, criticado por ter atrasado o caso durante meses, ao se negar a dar sua autorização a esses interrogatórios.

Durante 8 meses, a polícia investigou o caso em segredo. Os interrogatórios de cerca de 50 testemunhas permitiram recentemente a realização de um "avanço decisivo" na investigação, segundo a imprensa.

Entre as pessoas interrogadas figura Ronald Lauder, presidente do Congresso Judeu Mundial e membro da família da fundadora do grupo cosmético americano Estée Lauder. Foi interrogado no dia 30 de setembro quando viajou a Israel para acompanhar o enterro do ex-presidente Shimon Peres.

Em outro caso, em novembro, o procurador ordenou a abertura de uma investigação sobre alegações que sugeriam uma conduta irregular de um parente de Netanyahu na compra de três submarinos alemães por parte do Estado hebreu.

A Justiça israelense trata com firmeza os casos de corrupção. O primeiro-ministro anterior, Ehud Olmert, cumpre desde fevereiro de 2016 uma pena de 19 meses de prisão depois de ter aceitado subornos. O atual ministro do Interior, Arye Deri, chefe do Shass, um partido ultraortodoxo, foi condenado em 1999 a três anos de prisão por corrupção.

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.