Acessar o conteúdo principal

Forças iraquianas lutam para conservar Mossul após contra-ataque do grupo EI

Fumaça no centro de Mossul, depois de um ataque aéreo em 25 de junho de 2017
Fumaça no centro de Mossul, depois de um ataque aéreo em 25 de junho de 2017 Reuters/Erik de Castro

As forças iraquianas tentavam nesta segunda-feira (26) manter o controle dos bairros da zona oeste de Mossul, após uma inesperada e violenta contraofensiva dos extremistas do Estado Islâmico (EI), o que reflete a dificuldade dessa batalha para reconquistar totalmente a segunda cidade do Iraque.

Publicidade

Em paralelo aos combates em Mossul, outros confrontos prosseguiam na Cidade Velha, onde os extremistas estão entrincheirados. O grupo Estado Islâmico foi expulso da maior parte de Mossul, seu último grande reduto urbano no país. Apesar dos intensos tiros de artilharia e dos bombardeios da coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos, os extremistas resistem ferozmente e, por vezes, conseguem contra-atacar.

Há oito meses, as forças iraquianas lançaram a ofensiva para reconquistar Mossul, cidade do norte do país que caiu nas mãos do grupo extremista em junho de 2014.

Jihadistas infiltrados

Cometido no domingo à noite (25), um ataque espalhou pânico entre os moradores que haviam retornado para os bairros de Tanak e Yarmuk. Há várias semanas, os extremistas haviam sido expulsos pelas forças do governo dessas duas localidades. Os agressores se infiltraram nessa zona controlada pelo Exército, misturando-se aos civis deslocados que voltaram para suas casas, indicou o general Abdelwahab al-Saadi, um dos comandantes das unidades antiterroristas (CTS).   Um médico das CTS contou que o ataque deixou vários mortos no bairro. Entre 15 e 20 extremistas teriam sido abatidos. Segundo o general Al-Saadi, as CTS "revistam Yarmuk casa a casa", já que dois dos grupos de combatentes se entrincheiraram nesse bairro recuperado em abril.

Uma autoridade local que pediu para não ser identificada descreveu o ataque de domingo como uma tarefa de distração de "células adormecidas" dos jihadistas na parte oeste de Mossul. Com isso, o grupo estaria buscando aliviar a pressão sobre seus efetivos que ainda se encontram na Cidade Velha.

Em 18 de junho, as forças iraquianas lançaram uma ofensiva violenta e arriscada para reconquistar a Cidade Velha de Mossul, uma zona densamente populosa e de ruas estreitas, onde resistem os últimos focos extremistas.

A batalha para recuperar Mossul começou em 17 de outubro passado. No fim de janeiro, as forças do governo haviam conseguido recuperar a parte leste dessa cidade do norte do país. Reduto iraquiano do grupo, ela é dividida em dois pelo rio Tigre.

Em 19 de janeiro, lançam uma ofensiva no lado ocidental, retomando vários bairros da parte antiga. As forças iraquianas contam com o apoio da coalizão internacional anti-grupo Estado Islâmico liderada por Washington. Mais de 800 mil pessoas foram deslocadas em função dos combates.

Do outro lado da fronteira, na vizinha Síria, os extremistas são atacados por uma aliança de combatentes árabes e curdos, apoiada pelos Estados Unidos. O objetivo é expulsá-los de Raqa, seu principal reduto no país. Segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), os terroristas perderam um quarto do território de Raqa.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.