Acessar o conteúdo principal
Egito

Egito: Detenção de 12 membros de uma rede de tráfico de órgãos

Transplante de rim
Transplante de rim Getty Images

O Ministério do Interior egípcio anunciou nesta terça-feira (22) a prisão de 12 pessoas, incluindo médicos, que fazem parte de uma "grande rede especializada em tráfico de órgãos".

Publicidade

De acordo com as Nações Unidas, centenas de egípcios pobres vendem seus órgãos todos os anos para comprar o suficiente para viver e para pagar suas dívidas.

A rede "chegou a um acordo com os egípcios para a transferência de seus órgãos para pacientes estrangeiros em troca de grandes somas", disse o ministério.

Entre os detidos estão três médicos, quatro enfermeiros, três funcionários do hospital e dois intermediários, disse o ministério.

Alguns foram presos "enquanto estavam operando um homem para tomar um rim e uma parte do fígado em um hospital privado" em Gizé, ao sul do Cairo, em troca de US$ 10 mil (€ 8.500), disse o ministério.

O hospital foi fechado e uma investigação foi aberta, acrescenta o texto sem especificar quando as prisões ocorreram.

O parlamento egípcio aprovou uma lei em 2010 proibindo o comércio de órgãos humanos, bem como transplantes entre egípcios e estrangeiros, exceto no caso de casais.

O coordenador da Organização Mundial de Saúde da época, Luc Noël, disse que o Egito figurava entre os cinco principais países em termos de tráfico ilegal de órgãos.

Em dezembro de 2016, as autoridades egípcias anunciaram a prisão de 25 pessoas, incluindo professores universitários, profissionais de saúde, donos de centros médicos e intermediários, em conexão com o desmantelamento de uma rede internacional suspeita de organizar um tráfico de órgãos humanos de egípcios que vivem em extrema pobreza.

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.