Acessar o conteúdo principal
Mundo

França condena decisão de Israel de construir moradias na Cisjordânia

Construção no assentamento israelense de Givat Zeev, na Cisjordânia
Construção no assentamento israelense de Givat Zeev, na Cisjordânia REUTERS/Baz Ratner/File Photo

A França condenou as decisões tomadas pelas autoridades israelenses que permitem a construção de mais de 1.100 moradias em 20 regiões diferentes da Cisjordânia, e, particularmente em sete delas, previstas no território palestino de Nativ Haavot. A resolução contraria a decisão da alta corte da Justiça que ordenou a evacuação do local até março deste ano.

Publicidade

Segundo o governo francês, a colonização dessa área vai contra o direito internacional, conforme reafirmado pela resolução 2334 do Conselho de Segurança das Nações Unidas. “Isso dificulta a busca de uma paz justa e duradoura e impede a solução dos dois Estados, vivendo lado a lado em paz e segurança. Essa deliberação também contribui para a continuidade de tensões”, declarou o governo francês em um comunicado.

“A prioridade da França é trabalhar para preservar esta solução de dois Estados e contribuir para a retomada de negociações decisivas. Neste contexto, conforme indicado pelo presidente da República (francês) em 22 de dezembro, a França pede a cessação da colonização para preservar um horizonte político credível.”

Acordo de paz emperrado

A ONG “A Paz Agora”, que milita para o fim da colonização, especificou que o acordo final foi assinado na noite dessa quarta-feira (10) pela Comissão de Planejamento da Administração Civil para a Cisjordânia, uma agência liderada pelos militares.

Os assentamentos judeus na Cisjordânia são um dos principais obstáculos aos esforços de recuperação do processo de paz israelo-palestino, congelado desde 2014.

"Eu acho que o que Israel fez é um processo de destruição deliberado e bem planejado na possibilidade de estabelecer um Estado palestino ", comentou o deputado palestino Mustafa Barghouti.

Cerca de 500 mil israelenses estão instalados na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental, territórios onde vivem mais de 2,6 milhões de palestinos.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.