Acessar o conteúdo principal

Bombardeios matam cerca de 50 combatentes pró-regime na Síria

Membros pró-governo sírio fotografados em novembro de 2017 na fronteira iraquiana
Membros pró-governo sírio fotografados em novembro de 2017 na fronteira iraquiana STRINGER / AFP

Pelo menos 52 combatentes pró-regime foram mortos por bombardeios na noite de domingo (17) na Síria, numa base de Damas, perto da região de al-Hari, leste do país, de acordo com o Observatório dos Direitos Humanos. A agência oficial síria Sana atribuiu as mortes à coalizão internacional de luta contra os jihadistas na Síria sob a direção de Washington, mas os Estados Unidos negaram.

Publicidade

Entre os combatentes estavam 30 iraquianos e 16 sírios. O ataque é um dos mais violentos contra Damas até hoje. As Forças Democráticas Sírias (FDS), que recebem apoio dos Estados Unidos, e as forças governamentais, sustentadas pela Rússia, agem intensamente na região contra o grupo terrorista Estado Islâmico (EI).

Ainda que a coalizão americana negue o ataque, ela confirmou o ocorrido e declarou que “foram mortos vários combatentes da Kataëb Hezbollah” – milícia xiita iraquiana patrocinada pela República Islâmica do Irã, aliada de Damas. De acordo com o correspondente da RFI em Beirute, entre as vítimas também se encontravam iranianos, libaneses e afegãos.

Região é palco de conflitos

A região de al-Hari é palco de violentos conflitos entre as tropas pró-governo sírio e combatentes do grupo Estado Islâmico. Os jihadistas, expulsos dessa área, tomaram posse dos bairros periféricos de Boukamal, mas foram igualmente rechaçados pelo exército sírio.

Para a agência oficial síria Sana, a culpada pelos ataques é a coalizão americana. O exército sírio e seus aliados são regularmente alvo de ataques no leste do país, que quase nunca são reivindicados. As tropas de Damas controlam terras situadas a oeste do rio Eufrates, enquanto as FDS combatem os membros do EI na parte leste, mais próxima do Iraque.

Os dois campos tentam evitar o conflito, mas desde abril a área tem sido terreno de confrontos. Antes do ataque desta segunda-feira, doze combatentes perderam a vida em uma ofensiva aérea também atribuída à coalizão americana – e igualmente negada pelo Pentágono.

Em fevereiro, no entanto, Washington reconheceu ter matado 100 combatentes pró-regime, incluindo cinco russos, de acordo com Moscou. Em setembro de 2016, após uma ofensiva que deixou mais de 60 soldados sírios mortos, a coalizão também admitiu tê-los confundido com jihadistas.

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.