Acessar o conteúdo principal
Linha Direta

Sob pressão de Trump, Otan celebra 70 anos com sérias divisões internas

Áudio 04:53
Ministros das Relações Exteriores da Otan durante aniversário comemorando 70 anos da OTAN em Washington. 03/04/19
Ministros das Relações Exteriores da Otan durante aniversário comemorando 70 anos da OTAN em Washington. 03/04/19 REUTERS/Joshua Roberts

O primeiro dia de comemorações pelo aniversário de 70 anos da Organização do Tratado do Atlântico Norte, a OTAN, nesta quarta-feira (3), foi marcado pelas críticas dos Estados Unidos ao baixo investimento da Alemanha em recursos militares.   

Publicidade

 Letícia Fonseca-Sourander, correspondente da RFI em Bruxelas

Em seu discurso, o secretário-geral da organização, Jens Stoltenberg, pediu a "preservação da unidade" dos 29 Estados-membros e a garantia de que a Otan não busca uma "nova Guerra Fria". O tom discreto da celebração dos 70 anos da Otan, apenas com a presença dos chanceleres de seus 29 países, e sem a presença de chefes de Estado e governo, é um retrato do dilema existencial que a aliança militar enfrenta atualmente. Seu maior crítico, o presidente americano, Donald Trump, é o anfitrião da festa. A  celebração em Washington, aliás, está sendo considerada bastante modesta.

Há vinte anos, durante a comemoração de seu cinquentenário, a Otan estava em plena guerra na ex-Iugoslávia. Apesar da falta de unanimidade sobre o envio de suas tropas terrestres para o conflito, Washington celebrou a data com ares de vitória, mesmo tendo liderado uma operação militar polêmica. Esta semana, o aniversário de setenta anos da Organização do Tratado do Atlântico Norte está sendo marcado pelas disputas internas e pressão do governo de Trump para que os aliados aumentem ainda mais suas contribuições com os gastos de defesa da aliança.

Além disso, o comportamento agressivo da Rússia com os vizinhos Ucrânia e Geórgia preocupa a Otan. Velhos medos vieram novamente à tona, principalmente nos ex-países do Leste Europeu, quando a Rússia anexou a Criméia, em 2014. É, de certa forma, uma volta às origens, cuja apreensão não é mais a ameaça soviética, mas os interesses russos.

Volta às origens

A Otan foi fundada em 1949, no começo da Guerra Fria, com o objetivo de defender a Europa Ocidental de um possível ataque da União Soviética e seus países-vizinhos. Quando foi criada, 12 países da Europa e América do Norte integravam a aliança. Hoje, são 29. Na época, o intuito da Otan era "manter os americanos dentro, os alemães embaixo e os russos fora", como afirmou o primeiro-secretário da organização, Hasting Ismay. Para se proteger da ameaça do expansionismo soviético, criou-se o princípio de defesa mútua, que é o compromisso de defender uns aos outros em caso de ataque.

Relação Trump com a Otan é conturbada

Desde que a Otan foi criada, os EUA têm sido os maiores contribuintes em dinheiro, soldados e equipamentos. Com a chegada do presidente americano, Donald Trump, o compromisso de Washington perdeu a estabilidade. Antes de assumir a Casa Branca, Trump foi um crítico feroz da estrutura da aliança militar, chegando a afirmar que a Otan era obsoleta. Ele sempre questionou a importância da organização e a obrigação da defesa mútua. Sob a ótica de Trump, o financiamento da Otan sempre foi o grande problema.

Depois de ameaçar retirar os EUA da aliança, os países membros reafirmaram o compromisso de destinar, até 2024, pelo menos 2% do PIB para gastos militares. Apesar de criticar a Alemanha, que é a segunda maior contribuinte financeira da aliança, o presidente americano comemorou ontem em Washington o “enorme progresso” nos gastos dos 28 países, que deve chegar a US$ 100 bihões até final de 2020. Trump afirmou que a Otan é mais forte desde que ele assumiu o poder.

Promessa feita ao Brasil fica fora da agenda

Durante a reunião entre Trump e o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, na Casa Branca, não houve nenhuma menção sobre o Brasil. A promessa feita pelo presidente dos EUA de incluir o Brasil como aliado estratégico da Otan nem ao menos constou na agenda do encontro. Não são apenas os EUA que decidem sobre o processo de adesão na aliança militar, a indicação de um novo membro precisa ser aprovada por todos os países da organização. 

A Colômbia foi o primeiro país da América Latina a concluir um acordo com a aliança atlântica. Apesar do status de “parceiro global”, a cooperação com Bogotá, na época, preocupou vários governos vizinhos que viram a iniciativa como uma provável futura interferência dos Estados Unidos nas questões sul-americanas. A parceria, assinada no ano passado, não prevê nenhuma participação colombiana nas operações militares da Otan, nem o comprometimento com a cláusula de defesa mútua. Além da Colômbia, outros parceiros globais da organização são o Afeganistão, Austrália, Iraque, Japão, Coreia do Sul, Nova Zelândia, Paquistão e Mongólia

 

 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.