Acessar o conteúdo principal
Coreia do Norte/crise

Coreia do Norte reduz ração para população, "que está em insegurança alimentar", diz ONU

Duas mulheres em um bonde elétrico em Pyongyang.
Duas mulheres em um bonde elétrico em Pyongyang. Ed JONES / AFP

Cerca de dez milhões de norte-coreanos estão em estado de “insegurança alimentar”. O anúncio foi feito nesta sexta-feira (3) pelo Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas.

Publicidade

As autoridades norte-coreanas estipularam a ração pública diária, distribuída pelo governo, a 300 gramas por dia, um nível historicamente baixo para esta época do ano, segundo o órgão da ONU. O país, alvo de diversas sanções por conta de seu programa nuclear, vive uma grave crise econômica e cerca de 40% da população passa fome. Um relatório do Programa Alimentar Mundial da ONU, publicado no ano passado, mostrou que os norte-coreanos precisam de ajuda humanitária.

“Depois das piores colheitas em dez anos, resultado de secas, calor intenso e inundações, 10,1 milhões de pessoas sofrem de insegurança alimentar no país”, declarou o porta-voz do Pam, Hervé Verhoosel. A produção agrícola foi estimada neste ano em 4,9 milhões de toneladas, o nível mais baixo desde 2008-2009. A queda resulta em um déficit alimentar de 1,36 milhão de toneladas. A Coreia do Norte tem 25 milhões de habitantes.

Negociações para aliviar sanções

A ministra sul-coreana das Relações Exteriores, Kang Kyung-wha, disse nesta sexta-feira que Pyongyang deveria mostrar uma “desnuclearização visível, concreta e substancial” para obter a suspensão parcial das sanções. As negociações entre a Coreia do Norte e os Estados Unidos estão paralisadas.

Os dois países não chegaram a um acordo durante a cúpula de Hanöi, no Vietnã. O líder norte-coreano Kim Jong-Un pediu a retiradas das sanções, o que o presidente americano Donald Trump recusou, considerando a proposta de desarmamento norte-coreana “tímida”. Na terça-feira (30), a vice-ministra norte-coreana das Relações Exteriores, Choe Son Hui, declarou que a decisão relativa à questão continua intacta, e será implantada quando os Estados Unidos decidirem rever sua proposta atual.

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.