Acessar o conteúdo principal
Espaço

Nasa: Turistas vão poder visitar Estação Espacial Internacional a partir de 2020

Equipes comerciais da Nasa já fazem testes em uma réplica da Estação Espacial Internacional no Texas.
Equipes comerciais da Nasa já fazem testes em uma réplica da Estação Espacial Internacional no Texas. REUTERS/Mike Blake

A Nasa anunciou, nesta sexta-feira (7), que vai autorizar, a partir do ano que vem e mediante pagamento, o uso da Estação Espacial Internacional (ISS) para turistas e empresas. Para isso, os viajantes terão que pagar US$ 35.000 por noite para ficar na base. O projeto promete ser muito lucrativo para a agência americana, que espera arrecadar fundos para financiar suas atividades.

Publicidade

"A Nasa abre a Estação Espacial Internacional para oportunidades comerciais", anunciou em Nova York o diretor financeiro da agência espacial americana, Jeff DeWit. De acordo com o diretor-adjunto da estação, Robyn Gatens, "a Nasa vai autorizar duas missões curtas de astronautas privados por ano".

As missões vão durar até 30 dias, afirmou a agência. Potencialmente, uma equipe com pelo menos 12 “astronautas privados” poderá visitar a estação a cada ano. Eles serão transportados pelas duas companhias que estão desenvolvendo veículos para a Nasa: SpaceX, com a cápsula Crew Dragon, e a Boeing, que constrói a Starliner.

Estas empresas vão escolher os turistas e cobrar a viagem, que será a parte mais cara da aventura: cerca de US$ 58 milhões. Os turistas pagarão a agência espacial pela estada em órbita, comida, água e todo o sistema de suporte vital a bordo. "Custará cerca de US$ 35.000 por noite e por astronauta", completou DeWit.

A Estação Espacial Internacional não é exclusiva da Nasa. O projeto foi iniciado junto com a Rússia em 1998, e outros países participam e também enviam astronautas. Mas os Estados Unidos controlam a maioria dos módulos.

Estes turistas espaciais não serão os primeiros. O empresário americano Dennis Tito esteve na estação em 2001, após pagar cerca de 20 milhões de dólares à Rússia.

(Com informações da AFP)

 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.