Acessar o conteúdo principal
Papa/imigração

"Imigrantes são o símbolo de todos os excluídos", diz papa Francisco

Papa: os migrantes são o símbolo de todos os excluídos
Papa: os migrantes são o símbolo de todos os excluídos Vatican Media/Handout via REUTERS

O papa Francisco celebrou nesta segunda-feira (8) uma missa na Basílica de São Pedro dedicada aos "últimos", os imigrantes, que ele descreveu como "excluídos da sociedade globalizada".

Publicidade

Francisco, muito sensível a esta questão que divide o mundo, especialmente a Europa e os Estados Unidos, lembrou sua visita há seis anos à ilha italiana de Lampedusa, símbolo desta tragédia, que recebia milhares de imigrantes da Ásia e da África fugindo das guerras e da fome.

Diante de cerca de 250 convidados, incluindo imigrantes e salva-vidas, o papa pediu em sua homília para ajudar sem hesitação os imigrantes, os mais vulneráveis da sociedade. "É uma grande responsabilidade, da qual ninguém pode ficar isento se quisermos cumprir a missão de salvação e libertação a qual o próprio Senhor nos chamou a colaborar", disse ele.

O pontífice evitou mencionar casos específicos que provocaram controvérsia recentemente, como o de embarcações humanitárias em disputa com o governo italiano por sua política migratória de portos fechados à imigração ou o da capitã alemã Carola Rackete, presa e libertada por resgatar migrantes no meio do Mar Mediterrâneo. "Penso nos 'últimos' que clamam ao Senhor todos os dias, pedindo para serem libertados dos males que os afligem", declarou Francisco.

"Eles são os últimos enganados e abandonados para morrer no deserto; são os últimos torturados, maltratados e violados em campos de detenção; são os últimos a desafiar as ondas de um mar implacável; são os últimos deixados em campos de uma acolhida que é muito longa para ser chamada de temporária", lamentou o papa.

Pontífice multiplicou campanhas em prol dos imigrantes

Em 8 de julho de 2013, quatro meses depois de sua eleição, pouco antes das ondas de chegadas em massa e naufrágios dos anos 2013-2017, Francisco viajou para a pequena ilha italiana de Lampedusa, localizada entre a Líbia e a Sicília, para denunciar a "globalização da indiferença" em relação aos imigrantes.

Desde então, o pontífice não parou de pedir em favor dos imigrantes, orando por eles diante das autoridades da Europa. "São pessoas, não se trata apenas de questões sociais ou migratórias! Não se trata apenas de imigrantes", denunciou. "Infelizmente, as periferias existenciais de nossas cidades estão densamente povoadas pelas pessoas descartadas, marginalizadas, oprimidas, discriminadas, maltratadas, exploradas, abandonadas, pobres e sofridas", disse ele. "Somos chamados a consolá-los em suas aflições e oferecer-lhes misericórdia, para satisfazer sua fome e sede de justiça", admitiu.

(Com informações da AFP)

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.