Acessar o conteúdo principal
Alojamentos/palestinos

Israel vai construir alojamentos para colonos israelenses e palestinos na Cisjordânia

Canteiro de obras para construção de alojamentos para colonos israelenses em Beitar Illit, na Cisjordânia (7/4/19).
Canteiro de obras para construção de alojamentos para colonos israelenses em Beitar Illit, na Cisjordânia (7/4/19). REUTERS/Ronen Zvulun

O governo israelense aprovou a construção de 6.000 alojamentos para colonos israelenses em uma parte da Cisjordânia, declarou nesta quarta-feira (31) uma autoridade israelense. A decisão também inclui algo extremamente raro - a permissão para 700 habitações para palestinos.

Publicidade

Com informações do correspondente da RFI em Jerusalém, Michel Paul

O projeto é uma iniciativa do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, que, num primeiro tempo, teve dificuldades para convencer a ala direitista de seu governo. Mas o resultado é um sucesso político para o premiê.

A autorização foi dada na terça-feira (30) pelo gabinete de segurança nacional, na véspera de uma visita de Jared Kushner, assessor e genro do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. O enviado americano prepara uma iniciativa diplomática para resolver o conflito israelense-palestino.

Não está claro se a autorização diz respeito apenas a novas construções ou se abrange residências já construídas que recebem autorização retroativa. A decisão provocou a ira de colonos e da ala mais à direita da coalizão, mas foi adotada por unanimidade após votação por telefone durante a madrugada.

Solução de dois Estados

As novas habitações deverão ser construídas na zona C, sob controle israelense, onde as colônias estão localizadas. A zona C representa mais de 60% da Cisjordânia, território palestino ocupado, que teoricamente fará parte de um futuro Estado palestino no âmbito de uma solução de dois Estados.

Em geral, Israel não concede permissões de construção para os palestinos naquela área. A mídia israelense observa que a nova posicao do governo acontece menos de 15 dias após a destruição de casas palestinas em Jerusalém Oriental, construídas ilegalmente, segundo as autoridades israelenses.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.