Acessar o conteúdo principal
Assédio Sexual

Acusado de assédio sexual, Plácido Domingo é investigado e tem concerto anulado

Plácido Domingo deveria se apresentar na abertura de sua temporada da Orquestra da Filadélfia
Plácido Domingo deveria se apresentar na abertura de sua temporada da Orquestra da Filadélfia REUTERS/Shannon Stapleton/File Photo

A Ópera de Los Angeles informou nessa terça-feira (13) que vai lançar uma investigação sobre as acusações de assédio sexual visando seu diretor-geral, o tenor e maestro Plácido Domingo. O espanhol, que nega todas as denúncias feitas contra ele, já começou a ter convites para concertos anulados.

Publicidade

A Ópera de Los Angeles avisou que vai pedir uma investigação sobre o que classificou de “alegações preocupantes”. “Pensamos que os empregados e artistas devem ser tratados com respeito e se sentirem seguros em seu ambiente de trabalho”, informou a instituição cultural em um comunicado.

Já a Orquestra da Filadélfia retirou o convite que havia feito ao tenor para a participação no concerto de abertura de sua temporada. O evento estava previsto para 18 de setembro, mas a instituição informou em sua página na internet que está empenhada em “criar um ambiente seguro, solidário, respeitoso e apropriado para a orquestra e seu pessoal” e, por essa razão, preferiu anular a presença do espanhol.

Plácido Domingo, que dirige a Ópera de Los Angeles desde 2003 e é considerado uma das mais importantes estrelas vivas da música lírica, é acusado por nove mulheres – oito cantoras e uma dançarina – de assédio sexual. Elas teriam sido vítimas do tenor a partir dos anos 1980. Uma delas afirma que o espanhol teria colocada a mão embaixo de seu vestido e três outras dizem que foram forçadas a beijá-lo.

Outras vítimas denunciaram comportamentos que as colocaram em situações desconfortáveis, enquanto quarenta mulheres testemunharam atos suspeitos do atual diretor da Ópera de Los Angeles. Sete das nove mulheres indicaram que suas carreiras foram prejudicadas quando elas recusaram as investidas de Domingo.

O cantor de ópera e maestro negou todas as acusações. “As alegações desses indivíduos anônimos datam de até 30 anos e são profundamente perturbadoras, mas não são exatas”, declarou o espanhol de 78 anos. “É doloroso ouvir que eu pude importuná-las ou colocá-las em situações desconfortáveis”, disse. “Eu acreditava que todas as minhas interações e relações eram bem-vindas e consentidas. As pessoas que me conhecem ou que trabalharam comigo sabem que eu não magoaria, ofenderia ou envergonharia alguém intencionalmente”, insistiu.

Domingo deve atuar na ópera “Luisa Miller”, de Verdi, durante o festival de Salzburgo, na Áustria, nos dias 25 e 31 de agosto. Sua presença está mantida na programação do evento.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.