Acessar o conteúdo principal
Coreia do Sul

Coreia do Sul: ex-presidente afastada e herdeiro da Samsung vão ser julgados de novo por corrupção

A ex-presidente Park Geun-hye e o herdeiro da Samsung, Lee Jae-yong, vão ser julgados novamente.
A ex-presidente Park Geun-hye e o herdeiro da Samsung, Lee Jae-yong, vão ser julgados novamente. STR / POOL / AFP

A Suprema Corte da Coreia do Sul determinou nesta quinta-feira (29) um novo julgamento contra a ex-presidente Park Geun-hye e Lee Jae-yong, herdeiro do império Samsung, um novo capítulo de um dos maiores escândalos de corrupção da história do país.

Publicidade

Park, que chegou ao poder em 2013, foi destituída em 2017 por um caso de subornos e abuso de poder. No ano passado ela foi condenada a 24 anos de prisão.

A ex-presidente admitiu ser culpada em abril de 2018 por ter recebido ou solicitado mais de US$ 20 milhões de conglomerados sul-coreanos, compartilhado informações confidenciais, criado uma "lista negra" de artistas críticos à sua política e por ter demitido funcionários que eram contrários a seus abusos de poder.

O tribunal considerou que deveriam ter sido emitidas sentenças separadas sobre as denúncias de suborno e abuso de poder pelas quais ela foi condenada. "Vamos enviar o caso de volta para o Alto Tribunal de Seul", declarou o presidente da Suprema Corte, Kim Myeong-su.

Possível aumento de pena

De acordo com a imprensa sul-coreana, a decisão pode ter como consequência uma sentença maior para Park se ela for considerada culpada em dois processos distintos.

Primeira mulher eleita presidente na Coreia do Sul, Park, 67 anos, foi detida pela primeira vez em março de 2017 por uma série de acusações que revelaram as estreitas e obscuras relações entre o poder político e as grandes empresas sul-coreanas, especialmente a Samsung.

Em uma das ramificações do caso, o vice-presidente da Samsung Electronics, filho e herdeiro do presidente do grupo, Lee Jae-yong, foi condenado em primeira instância a cinco anos de prisão por corrupção. Ele apresentou recurso e a pena foi suspensa.

A Corte de Cassação decidiu hoje que o caso deve ser reaberto. Lee Jae-yong recebeu acusações de corrupção, abuso de bens sociais, falso testemunho, entre outras.

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.