Acessar o conteúdo principal
Clima/saúde

Aquecimento global afetará saúde das novas gerações, diz relatório

Saúde de geração do aquecimento será mais frágil, mostra relatório
Saúde de geração do aquecimento será mais frágil, mostra relatório REUTERS/Yves Herman/File Photo

Um relatório publicado nesta quinta-feira (14) na revista científica The Lancet, a poucas semanas da conferência internacional para o clima (COP25), alerta para os riscos sanitários relacionados ao aquecimento global e às emissões de gás carbônico.

Publicidade

O documento “Contagem Regressiva sobre a saúde e as mudanças climáticas” é publicado anualmente na revista. Ele é realizado em parceria com 35 instituições, entre elas a OMS (Organização Mundial da Saúde) e, neste ano, foca nas consequências das mudanças climáticas para a saúde das crianças.

Em uma entrevista concedida ao jornal Le Monde, um dos autores do relatório, Nick Watts, afirma que uma criança nascida em 2019 viverá em um mundo com uma temperatura média de quatro graus a mais em relação a hoje. “Isso representa uma ameaça para sua saúde em todas as etapas de sua vida”, afirma.

As crianças, reitera, ainda estão desenvolvendo seu sistema imunológico, e seus organismos são particularmente vulneráveis às doenças e aos agentes poluidores, diz o representante do Instituto para a Saúde Mundial da Universidade de Londres. A exposição de meninas e meninos à poluição atmosférica afeta os pulmões, piora a asma e aumenta o risco de crises cardíacas e AVC (Acidente Vascular Cerebral).

De acordo com o relatório, as emissões de CO2 geradas por combustíveis fósseis continuam a crescer e registraram uma alta de 2,6% entre 2016-2018. Cerca de 2,9 milhões de pessoas no mundo morreram prematuramente, com patologias ligadas indiretamente às partículas finas. As consequências do aquecimento global para a saúde continuam na idade adulta “e duram toda a vida”, comenta o especialista, “pedindo uma ação imediata de todos os países para reduzir as emissões.”

Bactérias e propagação de mosquitos

A elevação da temperatura terrestre associada a chuvas também favorece a proliferação de bactérias e mosquitos. Isso provoca o aumento de epidemias como a da dengue, por exemplo, que é a doença viral transmitida por um mosquito que se propaga mais rapidamente no mundo.

Globalmente, os autores do relatório ressaltam que uma criança que nasce hoje estará cada vez mais exposta aos fenômenos meteorológicos extremos: secas, calor, inundações ou incêndios florestais. Os pesquisadores julgam crucial “limitar o aquecimento a menos de 2°, como prevê o Acordo de Paris, assinado em 2015, e pedem que a questão seja destaque na agenda da COP25, a Conferência sobre o Clima, que acontece no início de dezembro em Madri.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.