Acessar o conteúdo principal
Brasil-Mundo

"Nós falamos brasileiro", defende doutoranda que pesquisa o português do Brasil em Portugal

Áudio 05:32
A paulistana Janaína Behling realiza um doutorado em Linguística do Português na Universidade de Coimbra.
A paulistana Janaína Behling realiza um doutorado em Linguística do Português na Universidade de Coimbra. Arquivo Pessoal

Uma das vontades da paulistana Janaína Behling era realizar, fora do Brasil, um doutorado em Linguística. Decidiu, então, ir para Portugal, e realiza há quase um ano uma pesquisa na Universidade de Coimbra. Um dos assuntos que fazem parte de seu trabalho é o português do Brasil falado em terras lusitanas.

Publicidade

Correspondente da RFI em Lisboa

Os primeiros meses no país renderam algumas experiências à pesquisadora brasileira - dificuldades esperadas e, segundo ela, “carregadas de uma necessidade de correção eventualmente sistemática do meu português”. 

“Dizer: 'levar eles'… Nossa, isso dói muito no ouvido dos portugueses! Para os brasileiros, não tem tanto problema assim”, explica Janaína Behling. Segundo ela, em Portugal, algumas regras gramaticais, como os pronomes, são respeitadas à risca.

Ao lembrar o que mais chamou a atenção ao chegar ao país, ela destaca as formas de tratamento. De acordo com ela, os portugueses levam muito em consideração a hierarquia social. "Então, dizer ‘você’ a uma pessoa que é doutora pode criar uma situação muito constrangedora”, ressalta.

Coleta de depoimentos

Para a construção da tese de doutorado em Linguística do Português, a pesquisadora da Universidade de Coimbra tem colhido depoimentos de portugueses, brasileiros, e de pessoas de outras nacionalidades da comunidade lusófona, como angolanos, moçambicanos, guineenses, além de britânicos e italianos que falam português. “Eu não posso prescindir da possibilidade de ouvir outras pessoas”, salienta.

Por isso Behling tem promovido atividades como oficinas de escrita criativa, feito workshops de Linguística Aplicada, participado de rodas de conversa, como também da Seção Acadêmica de Leitura e Escrita, que faz parte da tradicional Associação Acadêmica de Coimbra.

Com base nessa coleta de dados e todo o aparato teórico que tem conseguido reunir, a pesquisadora diz que, do ponto de vista da gramática do português falado no Brasil, já é possível afirmar que uma outra língua se desenvolveu no país. “Nós falamos brasileiro. Precisamos assumir isso”, sublinha.

A pesquisa acadêmica e suas contribuições

Para Janaína Behling, a pesquisa pode ser um “refresco” para a Linguística em Portugal e no Brasil. “Nós temos, dentro dos estudos da linguagem, muita coisa histórica, mas o século XXI é uma porta entreaberta. Precisamos olhar melhor para nós enquanto 'falantes' de português na contemporaneidade”, defende.

Janaína, que atua na área da Sociolinguística, espera que o trabalho que tem feito ajude no entendimento das particularidades do português europeu e do Brasil. Segundo ela, isso pode resultar em "uma maior qualidade de vida linguística do brasileiro em Portugal”.

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.