Acessar o conteúdo principal
Linha Direta

Austrália: apesar da chuva, incêndios devem atingir nesta sexta um nível crítico

Áudio 04:49
Pelo menos 25 pessoas morreram nos incêndios que até agora cobriram 10 milhões de hectares e mataram milhões de animais na Austrália.
Pelo menos 25 pessoas morreram nos incêndios que até agora cobriram 10 milhões de hectares e mataram milhões de animais na Austrália. Reuters

Pelo menos 25 pessoas morreram nos incêndios que até agora cobriram 10 milhões de hectares e mataram milhões de animais na Austrália. Estima-se que um terço da população de coalas, só no estado de Nova Gales do Sul, tenha perecido e seu habitat, destruído. Todos os estados, exceto o Território do Norte e a capital Camberra, estão em chamas. Só a chuva poderá extinguir focos de incêndios que devem continuar queimando por meses.

Publicidade

Luciana Fraguas, correspondente da RFI Brasil em Melbourne

O cenário é, como alguns bombeiros disseram, apocalíptico. Milhões de hectares de terra foram incendiados e casas, ruas inteiras, engolidas pelas chamas. Muitos focos permanecem e fora de controle.

Mais 3.000 reservistas foram convocados de maneira compulsória para auxiliar no controle das chamas. Cerca de 2.700 bombeiros (na sua maioria voluntários, pais de famílias, policiais, moradores das áreas mais afetadas) continuam na linha de frente lutando contra o fogo, que parece estar fora de controle.

Há poucas horas, nesta quarta-feira (8) uma terceira pessoa morreu, carbonizada no carro, no estado de Vitória. O número de desaparecidos está nas dezenas.
De acordo com o professor Chris Dickman, da Universidade de Sydney, 480 milhões de animais teriam sido mortos só no estado de Nova Gales do Sul. A ministra do Meio Ambiente, Sussan Ley, disse que um terço da população de coalas do estado pereceu e um terço de seu habitat foi destruído.

Um fundo de 2 bilhões de dólares australianos foi criado para auxiliar as famílias e cidades afetadas em todo o país. No total, mais de 10 milhões de hectares foram queimados em seis estados do país. Uma área maior que a Bélgica e o Haiti juntos.

Chuva entre ondas de calor

Choveu em dois estados e as temperaturas conseguiram ficar abaixo dos 40 graus nos últimos dois dias. Os bombeiros estão aproveitando esse “intervalo” entre ondas de calor para tentar fortalecer as linhas de contenção de cerca de 200 incêndios no sudeste do país, onde duas pessoas estão desaparecidas.

Mas a sexta-feira (10) está prometendo ser um dia “crítico para o perigo de incêndio", à medida que a temperatura sobe e atinge partes do leste e sul do país. Espera-se que o risco de incêndio seja alto no estado de Vitória.

O estado de Austrália Meridional será o primeiro a ser atingido pela onda de calor que se forma, com temperaturas chegando aos 40°C na cidade de Adelaide (que historicamente é uma das mais quentes do país) e até 43°C no interior do estado.
A Ilha Kangaroo, uma das mais devastadas pelos incêndios que causaram duas mortes, terá altas de cerca de 38°C.

Scott Morrison rechaçado

O primeiro-ministro Scott Morrison recebeu fortes críticas por ter ido passar férias no Havaí quando os incêndios estavam no seu ponto mais devastador em dezembro.

Quando ele finalmente retornou à Austrália, decidiu ir visitar as comunidades afetadas. Na pequena Cobargo, no estado de Nova Gales do Sul (387km de Sydney), Morrison foi rechaçado, xingado, teve que entrar às pressas no carro.
Vídeos dele tentando apertar a mão de algumas vítimas e de um bombeiro - que se recusou a cumprimentar o primeiro-ministro - viralizaram na internet. Foi um verdadeiro desastre para a imagem de Morrison e causou uma péssima repercussão para o governo.

Desde então, Morrison tem anunciado uma série de medidas de apoio e fundos de assistência às vítimas. Ele também disse que não ia se intimidar e que pretende continuar visitando as áreas afetadas.

Mudança climática

O governo e seus ministros reconhecem que ‘o clima está mudando’ mas em todas as entrevistas e coletivas de imprensa evitam entrar na discussão sobre uma tomada de ação política para conter o aquecimento global.

A causa principal da extensão sem paralelo dos incêndios é a mudança de clima, com a Austrália registrando temperaturas recordes nos últimos meses e um prolongado período de seca que piorou muito nos últimos anos.

É fato que os incêndios florestais que acontecem todos os anos no verão australiano atingem proporções gigantescas por causa do clima seco e do vento quente. Esse vento espalha as ‘fagulhas’ ou ‘brasas’ das florestas em chamas e as leva para os campos que estão secos, amarelos, queimando como palha. Há imagens surpreendentes do fogo ‘pulando’ rodovias e chegando do outro lado da estrada.  

Para piorar a situação, muitos fogos são acesos de propósito, por jovens e até por crianças.

Austrália em chamas, os números do desastre:
 

Nova Gales do Sul
* 20 mortos
* 119 incêndios continuam a queimar, 50 não contidos.
* Quase 5 milhões de hectares queimados
* 1.687 casas confirmadas destruídas, mais de 3.300 dependências e 168 instalações destruídas.

Vitória  
* Três mortos
* 12 incêndios na região de Gippsland
* Mais de 1,2 milhão de hectares queimados
* Mais de 200 casas confirmadas destruídas, mas número deve subir

Austrália Meridional
* Três pessoas mortas
* Seis incêndios queimando na ilha Kangaroo
* Mais de 274.000 hectares queimados
* 161 casas confirmadas destruídas, 413 galpões e dependências

Queensland  
* 19 incêndios florestais em todo o estado
* 2,5 milhões de hectares queimados
* 48 casas confirmadas destruídas

Austrália Ocidental
* 32 incêndios na região de Goldfield-Esperance, Wheatbelt, Pilbara, Perth e sudeste
* 1,7 milhão de hectares queimados
* Pelo menos uma casa destruída

Tasmânia
* 14 incêndios florestais queimando no norte, leste e sul do estado
* Mais de 32.000 hectares queimados
* Duas casas confirmadas destruídas
* Não há incêndios em chamas

Camberra e Território do Norte
* Não há focos ativos de incêndio, mas a qualidade do ar é considerada a pior do mundo.

Fonte: Australian Associated Press (AAP)

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.