Acessar o conteúdo principal
Incêndios/Austrália

Drama de coalas na Austrália faz aumentar doações on-line

Veterinários e voluntários tentam salvar coalas nos incêndios da Austrália.
Veterinários e voluntários tentam salvar coalas nos incêndios da Austrália. AAP Image/David Mariuz/via REUTERS

As impressionantes imagens dos incêndios na Austrália revelaram, também, o drama dos animais que sofrem à medida que as florestas ardem. É o caso dos coalas, mamíferos que têm em Queensland, no nordeste do país, o seu principal habitat. Desde que o mundo tomou conhecimento do desaparecimento de muitos desses animais, as contribuições on-line para ajudar a controlar o fogo aumentaram sensivelmente.

Publicidade

Com informações do correspondente Dominique Desaunay

As impressionantes imagens dos incêndios na Austrália revelaram, também, o drama dos animais que sofrem à medida que as florestas ardem. É o caso dos coalas, mamíferos que têm em Queensland, no nordeste do país, o seu principal habitat. Desde que o mundo tomou conhecimento do desaparecimento de muitos desses animais, as contribuições on-line para ajudar a controlar o fogo aumentaram sensivelmente.

Medindo aproximadamente entre 60 e 85 centímetros de comprimento, os coalas podem pesar até 13 quilos e viver por 15 anos na natureza. Juntamente com outras espécies, eles foram as primeiras vítimas da tragédia. Um bilhão de animais morreu nas chamas dos incêndios gigantescos na Austrália e as imagens dessa catástrofe, em vídeos chocantes, se espalham pelas redes sociais em todo o mundo.

“Seu habitat natural foi destruído e pouquíssimos [coalas] sobreviverão. Cangurus e veados poderão correr para se refugiar, mas não os coalas. Eles subirão nas árvores, agarrando-se aos galhos e se as chamas os alcançarem, eles serão queimados “, explica um socorrista australiano.

As estrelas estão se mobilizando

Imediatamente após o início dos incêndios, milhares de fotos, vídeos, desenhos de coalas e outros marsupiais emblemáticos do continente australiano surgiram na Internet. Os pedidos de doações não param de aumentar.

O Fundo Mundial para a Vida Selvagem (WWF) já recebeu mais de € 5 milhões e espera aumentar esse valor para até € 27 milhões. Muitas personalidades e influenciadores digitais estão fazendo doações e incentivando seus seguidores a fazerem o mesmo.

No Facebook, a atriz australiana Celeste Barber, recebeu mais de € 30 milhões em doações de mais de um milhão de internautas. Outras celebridades australianas, como a atriz Nicole Kidman, o ator Russell Crowe ou a cantora Kylie Minogue também estão usando sua imagem para atrair doadores para a causa.

Tenistas famosos que participam do torneio Aberto da Austrália, cuja etapa eliminatória iniciou nesta terça-feira (14) num contexto complicado para o país, anunciaram que participarão de jogos de exibição para arrecadar fundos. Na lista estão nomes como Serena Williams, Roger Federer e Rafael Nadal.

Ajuda que vem do exterior

Na França, blogueiros e influenciadores digitais também estão se mobilizando. A ex-Miss França Camille Cerf, por exemplo, usou sua conta no Twitter para anunciar uma doação à Cruz Vermelha Australiana. "Se minha notoriedade permite despertar os espíritos, dar o exemplo e causar um impacto, melhor", escreveu ela. “Eu doei para ajudar a Austrália, você também pode contribuir, mesmo com uma pequena quantia”, acrescentou.

Especialistas alertam, no entanto, para que possíveis doadores fiquem atentos a golpes cibernéticos. O ideal é sempre verificar para quem estão entregando suas doações. Um site australiano que se oferece para arrecadar ajuda para alimentar gatinhos foi infectado com um vírus destinado a roubar os dados bancários de colaboradores generosos.

Enquanto os bombeiros australianos anunciaram na segunda-feira (13) que dominaram o maior "incêndio" do país, 120 focos ainda estão ativos. As ONGs permanecem em alerta, os animais sobreviventes já estão sofrendo com "a séria escassez de comida e água", relatam as autoridades.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.