Acessar o conteúdo principal
Argentina/Israel

Presidente argentino compara ditadura militar ao Holocausto em encontro com Netanyahu

O presidente argentino Alberto Fernandez e o premiê israelense, Benjamin Netanyahu, durante as homenagens aos 75 anos da liberação do campo de Auschwitz
O presidente argentino Alberto Fernandez e o premiê israelense, Benjamin Netanyahu, durante as homenagens aos 75 anos da liberação do campo de Auschwitz (Foto: Reuters)

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, comparou o Holocausto à ditadura militar argentina em encontro nesta sexta-feira (24) com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, em Jerusalém

Publicidade

Daniela Kresch, correspondente da RFI em Jerusalém

“Estamos na cidade sagrada de Jerusalém para lembrar os 75 anos do fim do Holocausto, que foi uma tragédia para a Humanidade. Na Argentina, também tivemos nossa própria tragédia, uma ditadura na qual 30 mil pessoas desapareceram da face da terra, com torturas, assassinatos, perseguição e exilio”, disse Fernández, que participou do 5° Fórum Mundial do Holocausto, que reuniu líderes e delegações de 49 países, nos dia 22 e 23, para lembrar os 75 anos da libertação do campo de extermínio de Auschwitz-Birkenau.

O presidente argentino revelou que, quando a vítima das torturas era judia, os carrascos eram “particularmente violentos”. E contou que conheceu uma sobrevivente do Holocausto que se refugiou na Argentina e que teve uma filha desaparecida durante a ditadura: “Essa sobrevivente é o resumo da tragédia da Humanidade. Seu avô morreu em um campo de concentração e sua filha desapareceu na Argentina. A tudo isso dizemos ‘nunca mais’”.

"Amamos os judeus argentinos"

Fernández também se comprometeu a revelar os responsáveis pelo atentado terrorista de 1994 conta a Associação Mutual Israelita da Argentina (AMIA), em Buenos Aires, que matou 85 pessoas: “Amamos os judeus argentinos pelo que são: argentinos. Por isso, o nosso compromisso de saber a verdade sobre o que aconteceu na Amia é absoluto. Esse foi sempre o nosso compromisso e continuará a ser”, afirmou o presidente.

A vice-presidente de Fernández, a ex-presidente Cristina Fernández de Kirchner, é suspeita de ter tentado acobertar o envolvimento do Irã no atentado em troca de favores de Teerã. O envolvimento na morte do promotor público Alberto Nisman, que foi encontrado morto em 2015 em sua casa um dia antes de acusá-la formalmente de envolvimento. Recentemente, Fernández disse não acreditar que Nisman foi assassinado.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.