Acessar o conteúdo principal

Trump pressiona e Índia, maior fabricante mundial de medicamentos, voltará a exportar cloroquina

Tests de identificação da  Covid-19 em Ernakulam, na região de  Kerala (sul), em 6 de abril de 2020.
Tests de identificação da Covid-19 em Ernakulam, na região de Kerala (sul), em 6 de abril de 2020. REUTERS/Stringer

Nova Déli proibiu a venda ao exterior do medicamento contra a malária, do qual é o maior produtor. Mas, sob pressão dos países ocidentais, e particularmente do presidente Donald Trump, essas restrições serão parcialmente suspensas.

Publicidade

Com informações de Sébastien Farcis, correspondente da RFI na Índia 

A Índia é o maior fabricante e exportador de medicamentos do mundo, mas grande parte de sua matéria-prima vem da China.

A paralisação das fábricas chinesas, no entanto, estrangulou a produção indiana, forçando o governo de Nova Déli no mês passado a proibir a exportação de medicamentos essenciais contendo cerca de 20 componentes, incluindo paracetamol e hidroxicloroquina. Esses dois produtos são utilizados na luta contra a Covid-19 e cuja demanda internacional explodiu.

No meio científico, um debate mobiliza médicos e profissionais da saúde sobre a eficácia do uso da cloroquina e de seu derivado, a hidroxicloroquina, no tratamento de doentes infectados pelo novo coronavírus. Apesar da prudência de muitos cientistas, o presidente americano considera o medicamento "um dom divino".

Na segunda-feira (6), Donald Trump ameaçou a Índia com sanções se o país não enviar aos Estados Unidos seu pedido de cloroquina. O governo indiano cedeu imediatamente.

A mudança de postura aconteceu depois de um telefonema no final de semana entre Donald Trump e o primeiro-ministro indiano Narendra Modi. "Se ele não autorizar a saída (...) pode haver represálias, por que não haveria?", declarou Trump na segunda-feira, aumentando a pressão sobre o chefe de governo indiano.

"Forneceremos também esses medicamentos essenciais à alguns países particularmente afetados pela epidemia", informou um porta-voz da diplomacia indiana. 

De acordo com o jornal The Times of India, além dos Estados Unidos, outros países, entre eles Austrália, França, Alemanha, Reino Unido e Brasil, criticam a política da Índia de "exclusividade nacional". 

Prioridade aos países vizinhos

A Índia garante que seus estoques agora são suficientes para sua população, apesar de não fornecer dados precisos, e garante que a decisão de voltar a exportar foi adotada antes das ameaças do presidente americano.

Esses dois medicamentos preciosos serão exportados à partir de agora apenas no ritmo de "conta gotas", para os países vizinhos e os mais afetados pela pandemia, incluindo os Estados Unidos.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.