Acesso ao principal conteúdo
CPLP/Guiné Equatorial

Empresários querem manutenção de Malabo na CPLP

Teodoro Obiang Nguema Mbasogo, presidente da Guiné-Equatorial
Teodoro Obiang Nguema Mbasogo, presidente da Guiné-Equatorial TIAGO PETINGA / LUSA

Os empresários da CPLP estão preocupados com as posições públicas políticas sobre a Guiné Equatorial. Malabo tarda na implementação do roteiro de adesão à CPLP, nomeadamente no que diz respeito à abolição da pena de morte.

Publicidade

Os empresários da CPLP estão preocupados com as posições públicas políticas sobre a Guiné Equatorial. Esta semana governantes de vários países da comunidade lusófona questionaram a permanência da Guiné Equatorial como estado-membro do bloco, na medida em que Malabo ainda não implementou o roteiro de adesão à CPLP, nomeadamente no que diz respeito à abolição da pena de morte.

Em entrevista à Lusa em Lisboa, Salimo Abdula, presidente da Confederação Empresarial da Comunidades dos Países de Língua Portuguesa (CE-CPLP), defendeu que a Guiné Equatorial não deve ser afastada da organização.

O empresário moçambicano sublinhou que os empresários não se vão “meter nas politiquices”, mas lembrou que a Guiné Equatorial foi admitida na CPLP por decisão política. "Não fomos nós que admitimos, mas ficamos galvanizados, porque há oportunidades para empresários da lusofonia lá", acrescentou o presidente da CE-CPLP.

Nós, os empresários, não nos vamos meter em politiquices. Penso que a Guiné Equatorial foi admitida por decisão política. Não fomos nós que a admitimos, (…) mas ficamos galvanizados, porque há oportunidades para empresários da lusofonia lá. A Guiné Equatorial está a precisar de se abrir à comunidade, de convivência com outros países com mais experiência no plano democrático. (…) Aceitámos, não podemos renegar agora. Esta é a posição dos empresários. Da parte política, se há razoes, desconhecemos”.

De relembrar que durante esta semana, vários países da comunidade lusófona questionaram a permanência da Guiné Equatorial como estado-membro do bloco, na medida em que Malabo ainda não implementou o roteiro de adesão à CPLP, nomeadamente no que diz respeito à abolição da pena de morte.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Faça o download da aplicação

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.