Acesso ao principal conteúdo
Política/Angola

Congresso MPLA :João Lourenço quer corrigir injustiças

Presidente de Angola, João Lourenço.
Presidente de Angola, João Lourenço. AMPE ROGERIO / AFP

No decurso da abertura do sétimo Congresso Extraordinário do MPLA sob o lema "MPLA e os Novos Desafios" , o presidente do partido no poder e chefe de Estado de Angola, João Lourenço realçou o esforço levado a cabo para encetar a reconstrução do país, assim como os problemas levantados pela dívida pública angolana, segundo ele, agravada pela corrupção que dominou a vida política nacional nas últimas décadas. Mais pormenores com o nosso correspondente Daniel Frederico.

Publicidade

O Presidente João Lourenço realizou o seu primeiro congresso, como líder do MPLA, sem a participação de José Eduardo dos Santos, qui chefiou o partido no poder em Angola, desde 1979, após a morte de Agostinho Neto,

No seu discurso de abertura do VII Congresso Extraordinário do MPLA, Lourenço lamentou a ausência de José Eduardo dos Santos, destacando o seu contributo para a direcção do partido durante 39 anos, mas criticou também,os que ameaçam o MPLA e fazem chantagens.

O líder do MPLA sublinhou diante do conclave a necessidade de fazer respeitar a Constituição e a Lei, sobretudo os dirigentes, que devem ser os primeiros a cumpri-la, para que, com o seu exemplo, eduquem toda a sociedade, exortando o respeito pelo bem público.

Dirigindo-se em particular aos 134 novos membros do Comite Central,que de agora em diante passa a contar com 497 dirigentes,João Lourenço destacou igualmente a necessidade de todos responsáveis prestarem contas, sobre a maneira como gerem o erário público.

Fazendo alusão ao enriquecimento ilícito e ao problema da dívida pública angolana, o presidente do MPLA frisou que não era aceitável, que se tenha chegado ao ponto de colocar a Sonangol e a Sodiam a financiar negócios privados, como se fossem instituições de crédito.

João Lourenço insistiu no imperativo da luta contra a corrupção, na abertura de Angola ao mundo, bem como urgência de controlar a dívida pública, avaliada em cerca de 63% do PIB angolano.

A dívida pública,serviu também para financiar o enriquecimento ilícito de uma elite restrita,selecionada na base do parentesco, do amiguismo e do compadrio, que construiu conglomerados empresariais com esses dinheiros públicos, denunciou João Lourenço.

 

Por cada dólar empregue no serviço da dívida, o Estado angolano está também a pagar o investimento,dito privado, na banca, na telefonia móvel, nos media, nos diamantes, na joalharia, nos grandes centros comerciais, na indústria de materiais de construção e noutros sectores que beneficiaram de dinheiro público, disse ele, denunciando comportamentos pouco transparentes, ocorridos durante a administração do seu antecessor.

Diante  dos 2.570 delegados presentes no VII Congresso Extraordinário do MPLA, João Lourenço considerou que esta situação de injustiça deve ser corrigida.

Se o País conseguir inverter a situação de injustiça atrás referida, batalha que ,de acordo João Lourenço, não está ganha, Angola com estes e outros recursos poderá combater melhor a pobreza e edificar uma classe média com um nível de vida aceitável.

O líder do MPLA e Presidente de Angola, João Lourenço, apelou tambem a equipa económica governamental para avaliar o momento propício destinado à implementação do Imposto sobre Valor Acrescentado ( IVA ), após o adiamento do prazo para Outubro.

Por ser uma novidade na nossa economia, a introdução do IVA será um processo a implementar de forma gradual e faseada, se tivermos em conta que o seu sucesso depende em muito da capacidade que as empresas terão a partir de agora na organização da sua contabilidade, frisou o líder do partido governante.

A estratégia para as primeiras eleições autárquicas angolanas, previstas para 2020, e o alargamento do Comité Central do partido de 363 para 497 membros marcaram, os trabalhos do 7.º Congresso Extraordinário do Movimento Popular de Libertação de Angola ( MPLA ) sob o lema MPLA e os Novos Desafios, realizado, sábado, no Futungo de Belas, em Luanda.

 

Reagindo a intervenção do presidente do MPLA no 7° Congresso Extraordinário do Futungo de Belas, o secretário-geral da UNITA,primeira força da oposição angolana, Franco Marcolino Nhani , afirmou , em declarações à agência Lusa, esperar que o partido, no poder, não fique pelas declarações de intenções.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Faça o download da aplicação

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.