Acesso ao principal conteúdo
Mali/ Relações Internacionais

Dia Internacional do fim da impunidade por crimes contra jornalistas

Claude Verlan e Ghislaine Dupont,jornalistas da RFI assassinados em 2 de Novembro de 2013,em Kidal no norte do Mali
Claude Verlan e Ghislaine Dupont,jornalistas da RFI assassinados em 2 de Novembro de 2013,em Kidal no norte do Mali © ©RFI

A ONU declarou 2 de Novembro como dia internacional para o fim da impunidade dos crimes contra jornalistas, em memória ao assassínio a 2 de Novembro de 2013 em Kidal, no norte no Mali, dos nossos colegas da RFI Ghislaine Dupont e Claude Verlon. A celebração da data ocorre, com em pano de fundo,um ataque terrorista durante o qual pelo menos 49 pessoas morreram, entre as quais soldados em Indelimane no norte do Mali.

Publicidade

Em Dezembro de 2013, por ocasião de 68a sessão,a Assembleia Geral das Nações Unidas adoptou a resolução 68/163, que proclamou a data de 2 de Novembro Dia Internacional do Fim da Impunidade pelos Crimes Cometidos contra os Jornalistas.

A resolução exortou os Estados Membros da ONU a tomar medidas específicas para lutar contra a actual cultura da impunidade, que prevalece no mundo em relação os crimes de que têm sido alvo os jornalistas.

O 2 de Novembro foi escolhido em memória do assassínio em Kidal, no norte do Mali, dos nossos colegas da RFI, Ghislaine Dupont e Claude Verlan, no dia 2 de Novembro de 2013.

Esta resolução histórica condena todo e qualquer ataque e violência contra os jornalistas e trabalhadores dos media.

Por ocasião desta data, o Secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres considerou que se os jornalistas não podem efectuar o seu trabalho em segurança, o mundo do futuro será marcado pela confusão e a desinformação.

O Dia Internacional do Fim da Impunidade pelo Crimes Cometidos Contra os Jornalistas é celebrado, com em pano de fundo um ataque terrorista contra uma base militar maliana da região de Indelimane, próximo da fronteira com o Níger, durante o qual morreram 49 militares, três ficarm feridos e danos materiais foram provocados.

Segundo Yaya Sangara, ministro da Comunicação e porta-voz do governo do Mali, as FAMA (Forças Armadas Malianas) mantêm o controlo da situação, bem como prosseguem as buscas na região de Indelimane, para localizar os terroristas envolvidos no ataque contra a base militar situada em Ansongo, no sector de Menaka, noroeste do país.

O acto terrorista não foi reivendicado até a data, nem precisadas as circunstâncias do mesmo.De acordo com as autoridades malianas, os terroristas atacaram a guarnição militar, sexta-feira, na hora do almoço.

Desde Março de 2012 que o norte de Mali, no qual operam grupos jiadistas ligados à rede islamista Al-Qaeda após a derrota do exército maliano frente a uma rebelião predominantemente tuaregue, é afectado pela violência terrorista.

A operação militar, em curso desde 2013 sob iniciativa da França, contribuiu para desmantelar e dispersar alguns dos referidos grupos jiadistas, que levam a cabo ataques terroristas no norte do Mali.

selfpromo.newsletter.titleselfpromo.newsletter.text

selfpromo.app.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.