Acesso ao principal conteúdo
Política/Religião/Moçambique

Moçambique :marcha em Inhambane contra ataques armados

Filipe Nyusi, Presidente de Moçambique
Filipe Nyusi, Presidente de Moçambique Yasuyoshi CHIBA / AFP

Em Moçambique decorreu domingo em Inhambane, no sul do pais, uma marcha de apelo ao diálogo e ao fim dos ataques armados, nas regiões central e setentrional do país. O movimento contra os referidos ataques, foi liderado pela igreja missionária. Mais pormenores com o nosso correspondente em Moçambique, Orfeu Lisboa.

Publicidade

Centenas de crentes da igreja missionária, marcharam Domingo na cidade de Inhambane, no sul de Moçambique numa marcha de apelo ao diálogo e a cessação dos ataques armados que se registam no norte e centro do país da África austral.

Gledson de Paula, líder religioso e implusionador do movimento à favor do diálogo e da paz, considerou que o que motiva os ataques armados são os interesses e as ambições pessoais, assim como o egoísmo de alguns indivíduos,que corre o risco de desembocar em guerras fraticidas.

De Paula, que denominou a marcha de Domingo de "Marcha para Jesus", acrescentou que a paz entre os moçambicanos só é possível através de Jesus Cristo.

Leonilde Jonasse, directora provincial de Justiça, Assuntos Constitucionais e Religiosos de Inhambane, que também participou na marcha de Inhambane, considerou que somente o diálogo e a paz contribuirão para a harmonia e o desenvolvimento de Moçambique.

Jonasse afirmou que, com guerras nada é realizável num país.

Como resposta aos ataques que se registam no centro e norte de Moçambique, o Presidente da República, Filipe Nyuzi, ordenou as forças de defesa e segurança a perseguir, capturar e responsabilizar os seus autores.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Faça o download da aplicação

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.