Acesso ao principal conteúdo
Política/Estados Unidos

Estados Unidos: diplomata testemunha contra Trump em processo de destituição

O  embaixador Gordon Sondland, durante a sua audiência perante a comissão do processo de destituição  em  Washington.20 de Novembro de 2019
O embaixador Gordon Sondland, durante a sua audiência perante a comissão do processo de destituição em Washington.20 de Novembro de 2019 AFP CHIP SOMODEVILLA

No âmbito das audiências perante a comissão que coordena o processo de destituição contra o Presidente Donald Trump, o embaixador dos Estados Unidos junto da União Europeia, Gordon Sondland, declarou que a ajuda militar americana à Ucrânia foi condicionada à uma investigação por Kiev, sobre os negócios do filho de Joe Biden, no país do leste europeu. De acordo com Sondland, a administração Trump sabia do esquema de "toma lá-dá cá", no qual também estava incluído uma visita, à Casa Branca, do presidente Volodymyr Zelensky.

Publicidade

Gordon Sondland declarou perante os membros da comissão do processo de destituição de Donald Trump, que ele acatou as ordens do presidente ao procurar com a Ucrânia um acordo baseado no "quid pro quo" (troca de favores), para que Kiev investigasse os negócios do democrata Joe Biden na antiga república soviética.

De acordo com Sondland, o advogado de Donald Trump, Rudy Giulani liderou a iniciativa tendente a pressionar o Presidente da Ucrânia Volodymyr Zelensky, para que fosse efectuada a referida investigação. O ex-embaixador americano junto da União Europeia, afirmou que altos funcionários da Casa Branca e do Departamento de Estado, estavam ao corrente do acordo entre Washington e Kiev.

Donald Trump reagiu às acusações veiculadas pelo testemunho de Sondland, afirmando, como habitualmente, pelas redes sociais que "a caça às bruxas tem que acabar agora. Tudo isso é muito mau para o nosso país".

O Presidente americano acrescentou que ele mal conhecia Sondland, não obstante o facto de o diplomata, grande empresário na hotelaria, ter doado 1 milhão de dólares para a cerimónia da tomada de posse de Donald Trump e testemunhar que falou cerca de 20 vezes com o chefe de Estado, enquanto era embaixador.

Segundo Adam Schiff, presidente da comissão de informação da Câmara dos Representantes, sobre o processo de destituição de Donald Trump,o testemunho de Gordon Sondland é, até a data, o mais significativo.Schiff qualificou o esquema de"toma lá-dá cá"entre Washington e Kiev de tentativa de extorsão por parte de Donald Trump.

 

selfpromo.newsletter.titleselfpromo.newsletter.text

selfpromo.app.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.