Acesso ao principal conteúdo
Política/Iraque

Iraque:prosseguem manifestações não obstante promessa de demissão de primeiro-ministro

O Primeiro-ministro iraquiano Adel Abdel Mahdi, em Baghdad no passado dia  23 de Outubro.
O Primeiro-ministro iraquiano Adel Abdel Mahdi, em Baghdad no passado dia 23 de Outubro. REUTERS/Khalid al-Mousily/File Photo

As manifestações anti-governo prosseguem em regiões do Iraque, não obstante a decisão tomada pelo Primeiro-ministro Adel Abdel Mahdi de demiti-se do seu cargo. Na capital Baghdad, bem como em Nasiriyah, cidade natal de Abdel Mahdi, os contestários foram às ruas para exigir uma mudança profunda do sistema político iraquiano, que, segundo eles, é corrupto e está sob a influência de potências estrangeiras.

Publicidade

Embora Adel Abdel Mahdi tenha anunciado a sua intenção de demitir-se das funções de Primeiro-ministro, as manifestações de protestos contra a corrupção e o sistema político, prosseguem no Iraque.

Os contestários que foram neste sábado às ruas de Baghdad e Nasiriyah, cidade natal de Abdel Mahdi nomeadamente, exigem uma mudança profunda do funcionamento das instituições políticas iraquianas e a emancipção do país em relação à influência de potências estrangeira.

Segundo as agências noticiosas,em Baghdad, assim como no sul do Iraque, os manifestantes reiteraram a sua vontade de manter o movimento de protesto contra o governo e consideraram que a demissão do Primeiro-ministro Adel Abdel Mahdi, anunciada na sexta-feira, é um primeiro passao para sanear um sistema político em que prevalece uma corrupção endémica.

Durante as manifestações de sábado em Baghdad, grupos de adolescentes lançaram pedras contra as forças de segurança, que protegiam os edifícios governamentais.

As forças de segurança reagiram disparando balas de borracha, assim como lançaram gás lacrimogénio contra os manifestantes, tendo ferido dez pessoas.

Segundo fontes médicas e a comissão iraquiana para os direitos humanos,desde que as manifestações começaram no início de Outubro no Iraque, mais de 420 pessoas morreram e 15.000 ficaram feridas.

Em Beirute, várias dezenas de libaneses reuniram-se, diante da embaixada do Iraque, em solidariedade para com os numerosos manifestantes iraquianos mortos nos últimos dias.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.