Acesso ao principal conteúdo
GUINÉ-BISSAU

O Presidente guineense suspende reconhecimento do Saara Ocidental

Saara Ocidental
Saara Ocidental S. Borelva / RFI

O Presidente da Guiné-Bissau, Malam Bacai Sanhá, suspendeu o reconhecimento da Republica Árabe Saharui Democrática (RASD), alegando o cumprimento da resolução das Nações Unidas e o princípio de imparcialidade nas conversações entre o Saara Ocidental e Marrocos.

Publicidade

Com o nosso correspondente em Bissau, Mussa Baldé

A decisão vem expressa num decreto do Presidente Malam Bacai Sanhá. O decreto do Presidente Bacai Sanhá assinala ainda que a decisão não é mais do que a confirmação de uma posição que havia sido assumida pelo Estado guineense em 1997, na qual Bissau havia decidido suspender o seu reconhecimento ao Saara Ocidental.

O Presidente fez questão de notar que a Guiné-Bissau tem que se conformar às resoluções das Nações Unidas, isto é, a Guiné-Bissau não toma partido nem a favor do Sara Ocidental nem a favor de Marrocos, permitindo desta forma que as partes cheguem a uma resolução consensual do diferendo que os opõe.

Oficialmente é esta a explicação para a decisão. Mas, a RFI apurou junto de fontes diplomáticas que a medida visa clarificar a posição do Estado guineense, já que em Maio de 2009 o Governo de Bissau havia decidido levantar a suspensão do reconhecimento da Republica Árabe Saharaui Democrática, decisão com a qual o Presidente Bacai Sanhá não está de acordo.

Por outro lado, as fontes da RFI indicaram que Marrocos nunca deixou de pressionar as autoridades de Bissau no sentido de ser clarificada a posição oficial do país em relação à questão Saraui, tanto assim é que Rabat não se fez representar nas cerimónias da tomada de posse de Malam Bacai Sanhá em Novembro passado, cerimónia para a qual Bissau convidou o líder Saharaui, Mohamed Abdelaziz, causando na altura um desconforto nas relações entre Bissau e Rabat.

A Guiné-Bissau e Marrocos mantêm, actualmente, relações políticas e diplomáticas consideradas excelentes. Actualmente são cerca de 400 os estudantes guineenses nas escolas marroquinas.
 

 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.