Acesso ao principal conteúdo
Guiné-Bissau

Porto de Bissau: despedidos 155 trabalhadores excedentários

Porto de Bissau
Porto de Bissau Liliana Henriques / RFI

Na sequência do que tem acontecido com outros sectores da função pública guineense, a Administração dos Portos da Guiné-Bissau despediu 155 trabalhadores, considerados excedentários e admitidos sem critérios durante o período de transição, na sequência do golpe de estado de 12 de Abril de 2012, os trabalhadores visados contestam a decisão.

Publicidade

Os trabalhadores despedidos estão proíbidos de entrar nas instalações do Porto de Bissau, o que causou alguns incidentes com a polícia esta segunda-feira (1/12).

O sindicato afirma que os despedimentos não respeitam o código do trabalho e apresentou uma providência cautelar, pedindo a anulação dos mesmos. 

Por sua vez Amarildo Viegas, director de Recursos Humanos da Administração dos Portos da Guiné-Bissau (APGB) afirma que "o Conselho de Administração do Porto de Bissau, na sua reunião de 6 de Novembro deliberou a redução do pessoal, que entrou efectivamente a partir de Abril de 2012, considerando-se pessoal excedentário...porque a maior parte das pessoas são os contratados,  pessoas sem qualifacações, digamos específicas para o exercício da actividade portuária".

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Faça o download da aplicação

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.