Acesso ao principal conteúdo
Mundo

Lula da Silva livre após interrogatório

O ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi levado de sua casa pela Polícia Federal
O ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi levado de sua casa pela Polícia Federal Andressa Anholete/AFP

A polícia federal brasileira conduziu investigações em casa do antigo Presidente Luiz Inácio Lula da Silva em São Paulo. Lula da Silva foi levado em custódia policial para prestar depoimento.

Publicidade

"A polícia brasileira fez hoje uma intervenção na casa do antigo Presidente, no Instituto Lula e nas residências de uma série de assessores e pessoas próximas de Lula da Silva" confirmou o assessor de imprensa do antigo presidente e do Instituto Lula, José Chrispiniano, à agência noticiosa francesa, AFP.

O porta-voz confirmou ainda que Lula é alvo de um mandado de condução coercitiva que levou a que dezenas de manifestantes se reunissem em frente à residência investigada de Lula, alguns para o apoiar e outros com mensagens de repúdio. Após ter sido ouvido pela polícia Lula foi posto em liberdade.

Os mandados de investigação e condução coercitiva para depor "estão a ser executados pela Polícia Federal para investigar possíveis crimes de corrupção e lavagem de dinheiro do esquema Petrobras praticados pelo antigo Presidente Lula e associados", disse o Ministério Público Federal do Paraná, que investiga a fraude da Petrobras.

Lula da Silva nega ser proprietário do triplex num balneário do estado de São Paul. O Ministério Público suspeita que os prédios foram reformados por grandes construtoras brasileiras, que em troca obtinham contratos na Petrobras.

Lula da Silva governou o Brasil de 2003 a 2010, continua a ser uma das figuras políticas mais influentes do Brasil.

A "Operação Lava Jato" é considerada como a maior investigação anti-corrupção da história do Brasil e já enviou para a prisão ou ameaça prender parlamentares, governadores, antigos funcionários e alguns dos principais empresários do país.

Lula da Silva, foi entretanto, solto depois do interrogatório, porque segundo Cristiano Noronha, cientista político, do Arko Advice, gabinete de análise política, em S. Paulo, em entrevista à RFI, apesar de ser "uma situação muito grave, até o momento a polícia não conseguiu provar a culpa do ex-presidente do Brasil.

 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.