Acesso ao principal conteúdo
África do Sul

Protesto estudantil na África do Sul entra na quarta semana

Bloqueio hoje junto da universidade de Witwatersrand, Joanesburgo.
Bloqueio hoje junto da universidade de Witwatersrand, Joanesburgo. Reuters/ Siphiwe Sibeko

Entrou hoje na sua quarta semana o movimento estudantil contra a decisão governamental anunciada há cerca de um mês de aumentar em 8% do valor das propinas universitárias na África do Sul. Este movimento cujo epicentro se encontra na prestigiosa universidade de Witwatersrand em Joanesburgo tem sido igualmente activo em outras cidades do país, designadamente Pretoria, a Cidade do Cabo ou ainda na universidade de Free State, no centro da África do Sul.

Publicidade

Este movimento que tem sido marcado por vezes por alguma violência, confrontos com a polícia tendo eclodido ainda hoje junto da universidade de Witwatersrand, não fraquejou apesar de certas universidades terem decidido reabrir as suas portas depois de dias de bloqueio e apesar também do executivo de Jacob Zuma ter decidido ontem formar uma comissão específica para estudar meios de estancar a crise.

Na base do protesto que já tinha ocorrido no ano passado até ao governo ter que recuar no seu intuito de aumentar o valor das propinas, está a promessa feita há décadas pelo ANC no poder de oferecer uma educação gratuita para todos. Contudo, mais de vinte anos depois do fim do apartheid, as desigualdades sociais continuam bem patentes: dados oficiais datando de 2014 indicam que 27,5% de estudantes brancos obtiveram o seu diploma contra pouco mais de 5% de estudantes negros.

Neste contexto em que diferenças de tratamento continuam a ser sentidas pela parte mais desfavorecida da população sul-africana, as reivindicações dos estudantes vão para além da exigência da gratuidade dos estudos universitários e passam pelo que chamam de "descolonização" da faculdade, o que do ponto de vista de Thomas Hausen, professor universitário em Pretoria, dá um cariz político a este movimento.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Faça o download da aplicação

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.