Acesso ao principal conteúdo
Gâmbia

Campanha internacional para julgar Yahya Jammeh

Yahya Jammeh deixa Banjul com destino a Malabo a 21 de Janeiro 2017
Yahya Jammeh deixa Banjul com destino a Malabo a 21 de Janeiro 2017 REUTERS/Thierry Gouegnon

Lançada sábado em Banjul (21/10) uma campanha internacional para o julgamento por crimes de sangue e crimes económicos, cometidos pelo antigo Presidente da Gâmbia Yahya Jammeh refugiado na Guiné Equatorial desde Janeiro de 2017.

Publicidade

Reed Brody advogado da Human Rights Watch - HRW - ong de defesa de direitos humanos que integra esta campanha, acredita que à luz do que sucedeu com o antigo ditador chadiano Hissène Habré, condenado a prisão perpétua em Dakar, o julgamento de Yahya Jammeh é possível, mas será dificil.

A Guiné Equatorial é membro de pleno direito da CPLP e Reed Brody acredita que a pressão regional, internacional e "dos países mais democráticos  de língua portuguesa, poderá ajudar" a criar um tal consenso em torno da necessidade do seu julgamento, que obrigaria o Presidente Teodoro Obiang a extraditar Yahya Jammeh, porque negá-lo teria "um custo político elevado".

Jammeh poderia ser julgado num tribunal da CEDEAO ou de um país anglófono, mas com apoio e participação da União Africana, tal como sucedeu com Hissène Habré, pois admite que a Gâmbia não tem para já capacidade para fazê-lo.

A HRW que foi uma das grandes impulsionadoras da acção colectiva que resultou no julgamento em Dakar de Hissène Habré, recolheu testemunhos de vítimas do seu regime e agora do de Yahya Jammeh, acredita que estes têm "mais peso e não têm leituras geo-políticas".

Na campanha para julgar Yahya Jammeh, além da HRW participam a ong suiça Trial Internacional e associações de vítimas gambianas, mas também senegalesas e ganesas.

Neste momento na Gâmbia, uma comissão de inquérito está a ouvir as vítimas, cujos testemunhos são difundidos na televisão e redes sociais.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.