Acesso ao principal conteúdo
Sudão

Sudão: depois do golpe, ruas cheias contra generais

Os sudaneses exigem o afastamento de todos os afectos ao regime destituído.
Os sudaneses exigem o afastamento de todos os afectos ao regime destituído. REUTERS/Stringer

As ruas de Cartum continuam cheias, depois da queda de Omar al-Bashir, os sudaneses exigem o afastamento de todos os afectos ao regime destituído. Os militares agora no poder tentam acalmar as reivindicações. Prometeram um “governo civil”, todavia sem fixar datas.

Publicidade

Os principais líderes do exército sudanês, no poder desde ontem, confirmaram esta sexta-feira que o ex-presidente estava detido mas sublinharam que al-Bashir “não será extraditado”. O ex-chefe de Estado, que estava no poder de 1989, será julgado no Sudão pelos crimes de que é acusado.

Em 2009, o Tribunal Penal Internacional emitiu um mandado de captura contra Omar al-Bashir por “crimes de guerra” e “contra a humanidade” cometidos no Darfour. Em 2010, o TPI acrescentou a acusação de “genocídio”.

O ministro da defesa Awad Ahmed Benawf foi nomeado chefe do “Conselho militar de transição”, depois ter anunciado na televisão do Estado “a queda do regime e detenção em local seguro do seu chefe” Omar al-Bashir.

O “Conselho militar de transição” prometeu entregar o poder a um “governo civil” além de um diálogo entre o exército e “as entidades políticas”. Indicou que o período transitório terá a duração de dois anos e acrescentou que serão realizadas eleições brevemente.

Porém, Omar Zinelabidine, chefe do Comité Político do Conselho Militar, lembrou que os militares não vão permitir “nenhum ataque à segurança” do país.

Os manifestantes prometem continuar a contestação até à formação de um governo de transição.

Awad Ahmed Benawf, o novo homem forte do Sudão, tenta a todo custo acalmar a contestação que desde há quatro meses faz tremer o país, mas devido às suas implicações alegadamente em crimes de guerra no Darfour corre o risco de não recolher apoios internacionais.

A contestação no Sudão começou a 19 de Dezembro de 2018, depois da decisão do governo em triplicar o preço do pão.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual pretende aceder não existe ou já não está disponível.